Sete dias para comer "à francesa" sem sair de Portugal

Entre esta quinta-feira e o dia 22 de outubro, o Goût de France volta a todo o mundo após um ano de paragem. Portugal junta-se à festa com restaurantes e lojas a darem a conhecer sabores do Centre-Val de Loire, a região em destaque numa sexta edição sob o signo do ambiente.

Famosa pelos seus vinhos, pelos queijos de cabra, os enchidos e os fritos, o Centre-Val de Loire é neste ano a região francesa em destaque no Goût de France. A iniciativa está de volta depois de um ano de interrupção devido à pandemia de covid-19. E durante sete dias - entre esta quinta-feira dia 14 e 22 de outubro -, um pouco por todo o mundo, promete pôr os interessados a comer "à francesa". Portugal, claro, não é exceção e restaurantes, lojas e escolas de hotelaria vão oferecer aos clientes uma experiência de gastronomia francesa, sob o signo da sustentabilidade.

"Depois de um ano de interrupção, a iniciativa Goût de France volta a Portugal como em todos os países do mundo para a sua sexta edição. O público português poderá participar na festa da gastronomia francesa, descobrindo os vinhos, os ingredientes, os menus ou os pratos da região francesa em destaque neste ano: o Centre-Val de Loire", explica ao DN a embaixadora Florence Mangin. E para a diplomata há pelo menos duas iguarias regionais que não podem falhar: "o crottin de Chavignol e a tarte tatin".

Os restaurantes participantes são convidados a oferecer aos seus clientes, durante essa semana, um menu ao "estilo francês", com a liberdade para cada chef de adaptar a sua proposta ao seu mercado e aos produtos de qualidade que costuma usar.

Depois da Aquitaine e da Provence, desta vez é o Centre-Val de Loire a estar em destaque. Em muitos aspetos, a gastronomia desta região do centro-oeste de França, que tem em Tours e Orleães as suas duas maiores cidades, simboliza o art de vivre à francesa. Foi precisamente em Tours que em 2010 o Instituto Europeu de História e Cultura da Alimentação apresentou a "refeição gastronómica dos franceses" como património cultural imaterial da humanidade na UNESCO.

Agora é essa relação especial entre produtos do terroir e uma gastronomia intimamente ligada às paisagens do coração de França e ao vale do rio Loire que a região quer levar a todo o mundo através deste Goût de France.

Esta sexta edição - uma iniciativa do Ministério da Europa e dos Negócios Estrangeiros de França e do chef Alain Ducasse - é marcada por uma preocupação com o ambiente e a sustentabilidade. A iniciativa pretende sensibilizar os chefs e outros profissionais da restauração para o seu papel de embaixadores de uma gastronomia mais responsável - no plano humano, mas também no da saúde, ambiente e educação do palato. O objetivo? Que a gastronomia do futuro seja mais "sensível, consciente e poderosa, portadora de uma mensagem universal para as gerações futuras: a de salvar a Terra e as suas riquezas", explica a organização.

"O sexto Goût de France propõe-se promover a gastronomia responsável. É de facto essencial que os chefs e os donos de restaurantes cumpram o seu papel para preservar o planeta, evitando o desperdício, contribuindo para os circuitos curtos de produção e privilegiando produtos sem pesticidas", explica a embaixadora Florence Mangin. Em Lisboa desde junho de 2019, a diplomata não tem dúvidas: "A festa das papilas gustativas tem de se conjugar com uma gestão razoável dos nossos recursos."

helena.r.tecedeiro@dn.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG