Mercedes-Benz EQS 450+: Montra tecnológica

A Mercedes-Benz tem no EQS o seu modelo de ponta em termos de eletrificação, com este a dispor de uma nova arquitetura elétrica com autonomia para mais de 700 quilómetros entre carregamentos. Afigurando-se também como uma montra tecnológica, o EQS é também um exemplo de conforto e refinamento a bordo.

Situando-se num patamar paralelo ao do Classe S, o EQS foi apresentado pela Mercedes-Benz como o arranque para uma nova era, tratando-se de uma abordagem totalmente focada na eletrificação. Assim, ao invés de ser apenas uma conversão direta de um modelo de combustão, caminho que seria mais fácil, a marca alemã preferiu partir de uma "folha em branco", impondo conceitos novos, quer na disposição dos componentes elétricos, quer na conceção tecnológica geral.

O visual imponente do EQS é, desde logo, um chamariz, combinando uma ampla superfície vidrada com o formato aerodinâmico que lhe vale o título de automóvel de produção em série com menor arrasto - logo maior eficiência. A ampla distância entre eixos (3210 mm) permite desafogo de primeira classe a bordo, sendo possibilitado pela colocação entre os dois eixos da grande bateria elétrica, mas também pelo afastamento das rodas rumo às extremidades.

O habitáculo, pautado pela qualidade referencial de construção e pelos materiais de eleição, transmite uma impressão de deslumbre com os seus três ecrãs naquilo que a marca alemã denominou de "Hyperscreen", um painel envidraçado que atravessa quase todo o tablier na horizontal com uma superfície de 141 cm e que alberga, então, os três ecrãs - o da instrumentação, o central de 17.7 polegadas e o do passageiro, independente e que só se ativa quando é detetado um passageiro no banco do lado direito.

Tudo simples e intuitivo, como num smartphone. A utilização do sistema MBUX Hyperscreen eleva a funcionalidade do habitáculo para outro patamar, tendo como contrapartida o facto de ser opcional no 450+, custando 8850€.

Arte de viajar imperturbável

A versão 450+ dispõe de apenas um motor elétrico, colocado na traseira, oferecendo assim tração traseira e uma potência de 333 CV/245 kW e 568 Nm de binário máximo. Concede uma condução folgada para o conjunto em questão (com 2.5 toneladas), movimentando este EQS com aprazível competência, tanto em aceleração, como nas recuperações (sobressaindo nestas), embora não seja 'explosivo' nas suas reações. Nota-se que é mais progressivo do que impulsivo, obedecendo também à ideia de conforto para os ocupantes, mas sem nunca lhe faltar energia para impor ritmos mais fortes. A aceleração dos zero aos 100 km/h cumpre-se em 6,2 segundos, atingindo uma velocidade máxima (limitada) de 210 km/h.

A bateria de nova geração tem uma capacidade útil de 107.8 kWh, permitindo uma autonomia homologada de 741 quilómetros, sendo este valor realista em condução despreocupada. Utilizado como qualquer outro modelo com motor de combustão, o EQS 450+ ofereceu-nos um consumo médio de 17.7 kWh/100 km. Para fomentar a eficiência, a condução pode ser ajustada com três modos de recuperação de energia para a bateria, embora o mais forte seja algo intrusivo no pedal de travão, o que não agradou.

Para recarregar a bateria, é possível recorrer a postos ultrarrápidos de até 200 kW (CC), bastando 15 minutos ligado à tomada para recuperar até 300 quilómetros. O carregador de bordo de série (para AC) é de 11 kW, podendo receber um de 22 kW opcionalmente. Assim, no caso de ligação AC a uma 'wallbox' de 11 kW o tempo de carregamento completo é de 10 horas, baixando para as cinco horas no caso de uma 'wallbox' de 22 kW.

Desde a versão de base, o EQS surge com suspensão AIRMATIC com firmeza variável (ADS+) consoante a velocidade e também de acordo com o modo de condução escolhido. Seja como for, nunca renega às noções de comodidade e tranquilidade, privilegiando essas ao dinamismo mais focado, mesmo que nunca falhe no equilíbrio geral e na sensação de segurança ao volante. É ajudado ainda pelo sistema de eixo traseiro direcional, com um ângulo de até 4,5º, ajudando nas manobras a baixa velocidade. Enfim, um automóvel senhorial e imperturbável, mesmo em mau piso.

Sendo uma proposta de luxo, o seu preço é condizente. De base, o EQS 450+ tem um custo de 121.550€, mas a lista de opcionais usualmente recheada e com preços elevados torna o valor final bem mais alto. A unidade ensaiada estava já nuns voluptuosos 140.000€, graças à adição de extras como o MBUX Hyperscreen (8850€), a linha interior Electric Art combinada com a Linha Exterior AMG (5400€) e as jantes AMG multi-raios de 21 polegadas (1450€).

Em oposição a exemplos de um passado que não está muito distante, o EQS 450+ rejeita sensações como a ansiedade de autonomia, termo que é atirado em definitivo para o passado, valorizando, por outro lado, o requinte de viagem, o bom gosto tecnológico e a maturidade da eletrificação, que deu um passo significativo num curto espaço de tempo.

FICHA TÉCNICA

Motor Elétrico, traseiro, síncrono de íman permanente

Potência máxima 245 kW/333 CV

Binário máximo 568 Nm

Bateria Iões de lítio, 107.8 kWh

Autonomia elétrica 741 km (WLTP)

Velocidade máxima 210 km/h

Aceleração 0-100 km/h 6,2s

Consumo médio WLTP 16.7 kWh/100 km

Preço A partir de 121.550€

pjunceiro@globalmediagroup.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG