Mercedes-Benz EQA: A estrela elétrica mais acessível

viver

Mercedes-Benz EQA: A estrela elétrica mais acessível

A multiplicação das ofertas elétricas continua a fazer-se a bom ritmo, sendo agora a Mercedes-Benz a lançar um segundo modelo elétrico na sua gama, o EQA. Com base no "primo" GLA, com o qual partilha muitos componentes, o EQA 250 oferece uma autonomia superior a 400 quilómetros com um único carregamento com um preço pouco acima dos 50 mil euros.

Se o EQC permitiu à Mercedes-Benz entrar na "guerra" dos veículos elétricos premium, o novo EQA dá mais um passo em frente na estratégia de eletrificação da marca germânica. Tirando partido da plataforma de veículos compactos MFA (que dá "corpo" aos Classe A e B, GLA e CLA, entre outros), o EQA é o primeiro dos modelos da gama mais acessível com motorização 100% elétrica, indo ao encontro daquilo que o mercado "pede" - elétricos de estilo SUV.

A identidade é claramente inspirada no GLA, não destoando da generalidade das suas linhas, mesmo que se diferencie em elementos como a grelha dianteira coberta (dada a menor necessidade de refrigeração do sistema motriz elétrico) ou os grupos óticos, com tecnologia LED em ambas as extremidades do EQA. Atrás, uma faixa de luz LED une os dois farolins para uma impressão de maior largura. Mas a eficiência é mesmo a "palavra de ordem", recebendo ainda um fundo coberto para redução da interferência na passagem do ar e jantes especiais de duas ou três cores, com dimensões de até 20 polegadas (nalgumas versões com revestimento em cor de ouro rosado ou azul).

No interior, não há diferenças fundamentais face ao GLA, sendo aliás uma característica comum aos modelos da classe mais compacta da Mercedes-Benz. Nesse ambiente familiar, nota para os dois ecrãs de 10.25 polegadas na horizontal, um para o painel de instrumentos e outro para o sistema de infoentretenimento MBUX, com possibilidade de múltiplas configurações individuais, sublinhado ainda pela possibilidade de comandos por voz ou navegação com realidade aumentada. Na aliança de funcionalidades, o EQA estreia uma tecnologia de navegação inteligente ("Electric Intelligence"), com o sistema a escolher a rota da viagem já com os tempos de carregamento previstos, de forma a reduzir o stress do condutor. Na base destas simulações contínuas, o sistema tem em conta as diferentes necessidades de carregamento com recurso a elementos como a topografia ou a meterologia. O sistema pode ainda reagir de forma dinâmica em casos de trânsito intenso ou no estilo pessoal de condução, adequando o tempo de chegada (e dos carregamentos) à distância e ao percurso.

Outras versões a caminho

Na versão já apresentada, a EQA 250, a marca aponta um consumo energético de 17.7 kWh/100 km em ciclo WLTP, o que graças à bateria de iões de lítio com 66.5 kWh de capacidade permite uma autonomia de 426 quilómetros. A potência total desta versão é de 140 kW (190 CV) para um binário máximo de 375 Nm, valores que permitem uma aceleração dos zero aos 100 km/h em 8,9 segundos e uma velocidade máxima limitada de 160 km/h. Nos planos da marca estão já outras variantes, uma com autonomia superior a 500 quilómetros e outra com uma potência superior a 200 kW (272 CV), incluindo também tração integral graças à configuração de dois motores elétricos.

A bateria de iões de lítio tem um peso de cerca de 500 kg, estando integrada diretamente no chassis, pelo que funciona como um elemento estrutural do veículo, baixando também o centro de gravidade. Além da elevada segurança, com uma espécie de 'escudo' de proteção que acautela as situações de acidente, a sua integração na estrutura do EQA permite que o espaço a bordo não saia grandemente comprometido em termos de habitabilidade e bagageira, com uma capacidade variável entre os 340 e os 1320 litros nesta última. A suspensão recorre a esquema multi-link atrás, podendo receber também sistema de amortecimento adaptativo para melhoria dinâmica.

Para acentuar a sua eficiência na climatização, o EQA recorre a uma bomba de calor, considerada mais eficiente no aquecimento do habitáculo e capaz de limitar o impacto na bateria para funções de arrefecimento. Essas funções podem ser acedidas e ajustadas remotamente a partir da aplicação Mercedes me ou diretamente no sistema MBUX do veículo.

No que diz respeito aos tempos de carregamento, os mesmos variam entre as 5h45 numa "wallbox" para passar dos 10% aos 100% (graças ao carregador de bordo de 11 kW) e os 30 minutos para uma carga de 10% a 80% num posto de carga rápido de 100 kW (DC).

Com chegada ao mercado prevista para a primavera, sabe-se já que o EQA terá um preço base ligeiramente acima dos 50 mil euros, embora ainda não esteja "fechado".

FICHA TÉCNICA

Motor Elétrico, assíncrono

Potência máxima 140 kW/190 CV

Binário máximo 375 Nm

Bateria Iões de lítio, 65.5 kWh Autonomia elétrica 426 km (WLTP)

Velocidade máxima 160 km/h Aceleração 0-100 km/h 8,9s Consumo médio WLTP 17.7-19,1 kWh/100 km

Preço A definir

pjunceiro@globalmediagroup.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG