7 dias, 7 propostas por Nuno Velez

1. Castelo de Vide
Convento de Nossa Senhora da Vitória
Domingo
1 de agosto

Acordar em Castelo de Vide num convento do século XVII com vista para o castelo de um lado e Marvão do outro, só por si já é um luxo. O Convento de Nossa Senhora da Vitória, a pouco mais de 500 metros do centro da vila, é o cenário ideal para começar o dia com calma e tempo para a meditação.
Passear a pé pela vila pode levar-nos aos mais belos e inusitados recantos onde podemos sentir a história a ser contada por cada pedra que compõe a arquitetura centenária das ruas castelo-videnses.
Estes caminhos podem conduzir-nos a um passeio mais espiritual, visitando as mais de 20 igrejas que existem em Castelo de Vide. Podemos deter-nos, por momentos, na Igreja Matriz de Santa Maria da Devesa, uma igreja do século XVIII e com uma posterior intervenção no século XIX, com estilos barroco e neoclássico a coabitarem. Aos domingos, às 12h00, celebra-se a missa, calmamente conduzida pelo cónego Tarcísio e onde a eucaristia é celebrada para conforto espiritual dos presentes.
Será nesta igreja magnífica que, a 29 de agosto, terá lugar a grande missa cantada, um momento religioso e musical, ponto alto inserido no festival Sons com História. Serão apresentadas peças compostas há centenas de anos, para cada passagem da liturgia, que serão interpretadas novamente como era hábito em tempos passados. O sacerdote celebrará a missa acompanhado musicalmente pelos Alma Ensemble.

2. Comer
Confraria Lisboa
R. do Alecrim 12 A
Segunda-feira, 2 de agosto

É dia de voltar ao trabalho e descer à realidade do dia-a-dia e dos contactos profissionais e sociais.
Depois da readaptação do dia nada melhor do que ir jantar cedo ao Confraria Lisboa e desfrutar da luz do fim do dia que entra pelas janelas pombalinas que nos mostram um Cais do Sodré dinâmico e acelerado, mas com a sensação de estarmos protegidos da agitação da cidade.
Provar as delicadas iguarias que saem da mão dos experientes sushi chefs é sempre como a primeira vez e aceitar as sugestões das novidades da semana é sempre uma viagem gastronómica que nos remete em grande no primeiro dia da semana. Este restaurante está aberto às segundas-feiras e é uma das melhores opções para quem gosta de peixe fresco à japonesa.

3. Livro
Mademoiselle Chanel e o Perfume do Amor
Por Michelle Marly Editora Planeta
Terça-feira, 3 de agosto

Num dia sempre difícil (ali entalado entre o início e o meio da semana), nada como ler umas boas 30 ou 40 páginas do nosso livro de cabeceira. No caso o romance baseado em factos reais Mademoiselle Chanel e o Perfume do Amor. Conta-nos a história dos acontecimentos que levaram à criação do universalmente famoso perfume N.º 5 da Chanel. Todos os factos que levaram Gabrielle Chanel a criar um perfume que seria uma homenagem ao seu grande amor e como esse aroma deveria ser criado para se tornar o ícone que é hoje. Escrito por Michelle Marly e publicado em Portugal pela editora Planeta, é um livro que nos transporta fotograficamente para uma época e acontecimentos que marcaram a vida da famosa criadora de moda, como se nos próprios fizéssemos parte deste enredo.

4.Museu
Cristobal Balenciaga Museoa
Espanha
Quarta-feira 4 de agosto

Se estivermos de férias e pudermos fazer uma escapada mais longínqua, aconselho vivamente o meu museu de moda preferido do mundo, o Cristobal Balenciaga Museoa, em Getária, no País Basco, em Espanha. Construído ao lado do Palácio Aldamar, casa dos marqueses de Casa Torrés, mentores e patronos do grande costureiro Cristobal Balenciaga.
Alberga a maior coleção de peças do extraordinário costureiro espanhol e percorre toda a sua trajetória, desde o início da sua atividade até ao momento em que Balenciaga resolve encerrar a sua marca homónima nos anos 1960.
Com uma disposição das peças de uma forma exímia, neste momento podemos deslumbrar-nos com a dicotomia entre dois monstros da costura, Balenciaga e Alaïa, através da exposição temporária que estará patente até novembro, e podemos passar horas a maravilhar-nos com a técnica, os tecidos e os detalhes de cada peça.
Quem não tiver a oportunidade de ir a Getária, pode sempre visitar virtualmente, através de experiências imersivas que o site do museu proporciona. Não é a mesma coisa do que visitar in loco, mas possibilita ter a noção da beleza que se encontra dentro do edifício. Estas exposições digitais estão organizadas, de momento, em temáticas específicas que permitem entrar na obra de Balenciaga, como o património ou a influência do criador na cultura pop.

5. Série
The Good Doctor
Netflix
Quinta-feira, 5 de agosto

Para descansar da viagem até Getária sugiro fazer uma maratona de séries, ou série, disponíveis nas atuais plataformas.
Neste momento aconselho uma série que apesar de não ser nova, vale muito a pena ser vista: The Good Doctor. Baseada na série homónima sul-coreana de 2013, conta a história de um cirurgião internista com autismo, num hospital americano.
O que difere esta série das demais do género é a personagem principal, um jovem com autismo que ascende a um mundo hospitalar cheio de subterfúgios e máscaras, em que as reações que provoca e a brutal frontalidade com que reage em situações de trabalho hospitalar nos remetem para questões como a perda da naturalidade do ser humano ou as diferentes camadas que usamos diariamente para nos protegermos uns com os outros.

6. Exposição
Rapture
De Ai Weiwei com curadoria de Marcello Dantas
Cordoaria Nacional, Lisboa
Sexta-feira, 6 de agosto

Contando e esperando por tréguas desta pandemia, sexta-feira é o dia ideal para sermos "transportados" para outros mundos saídos da mente criativa do artista Ai Weiwei. Este artista e ativista chinês, pela primeira vez a expor em Portugal, traz-nos a exposição inédita: Rapture, patente na Cordoaria Nacional.
Com curadoria do brasileiro Marcello Dantas, esta exposição mostra-nos algumas das obras mais icónicas do artista assim como novos trabalhos realizados no nosso país.

7.Campo
Parque Natural
Serra de São Mamede
Sábado, 7 de agosto


É sábado e é verão. Voltamos para Castelo de Vide à procura das raízes e da tranquilidade do campo. Em pleno Parque Natural da Serra de São Mamede, conseguimos encontrar riachos, ribeiras ou até mesmo barragens de tirar o fôlego.
Na barragem de Póvoa e Meadas encontramos o local ideal para estendermos uma toalha e uma almofada, e porque não da nova marca portuguesa Marilu, feitas em jacqard tecido em teares nacionais e adornadas com o nosso famoso galo de Barcelos.
Num espelho de água a perder de vista, podemos praticar desportos náuticos, desde que não motorizados e "navegar" por horas a fio. Ideal para o stand up paddle, a albufeira apresenta águas calmas e seguras para descomprimir.
Conduzindo uns quilómetros, podemos encontrar a barragem da Apartadura. Podemos pensar "será que me enganei e vim parar à Suíça?". Numa albufeira circundada por frondosos pinhais de pinheiro-bravo, estar nesta barragem é deter o tempo.

Escolhas e sugestões por Nuno Velez, designer de moda e diretor do festival Sons com História.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG