Temperaturas sobem, mas não é desta que o verão veio para ficar

A partir desta terça-feira, as temperaturas máximas poderão chegar aos 37 graus em algumas zonas do país. Bragança e Guarda estarão sob risco máximo de incêndio.

É certo que o verão como o conhecíamos já não é o mesmo. E se em julho seria de esperar dias mais quentes, céu limpo e ausência de precipitação, as previsões meteorológicas mostram que não será assim nos próximos dias. A partir de terça-feira, as temperaturas máximas vão aumentar, entre dois a cinco graus, de norte a sul, chegando aos 37 graus em algumas zonas do país. Mas o tempo vai continuar húmido. Um cenário pouco normal para esta altura do ano, frisa o meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) Ricardo Tavares, ao DN.

De acordo com as previsões do IPMA, este fim de semana ainda será de aguaceiros em algumas localidades e de nebulosidade no litoral de Portugal Continental. Cenário que se poderá prolongar até segunda-feira, devido a uma "depressão que vai passar pelo continente" neste dia.

Até lá, as temperaturas máximas deverão manter-se amenas, oscilando entre os 22 (Aveiro) e os 30 graus (Bragança), e as mínimas entre os 14 (Viseu) e 17 em quase todas as regiões de Portugal Continental. Já nas ilhas, a temperatura máxima irá variar entre os 24 e os 27 graus, com registo de precipitação.

É a partir de quarta-feira que se fará sentir o calor em toda a região continental, com as máximas a atingir os 37 graus em zonas como Castelo Branco e Santarém. Lisboa chegará aos 30 graus, Porto aos 29, Évora aos 36 e Faro aos 29. Nos arquipélagos dos Açores e da Madeira, não deverá passar dos 26 graus.

Segundo o meteorologista Ricardo Tavares, estas temperaturas são "normais" para a altura do ano, mas não a humidade que se tem feito sentir nas últimas semanas e que se deverá prolongar nas próximas.

Os concelhos de Mogadouro, no distrito de Bragança, e Figueira de Castelo Rodrigo, na Guarda, apresentam este sábado um risco máximo de incêndio, segundo o IPMA. Há também mais de 50 concelhos dos distritos de Faro, Santarém, Portalegre, Castelo Branco, Leiria, Viseu, Vila Real e Bragança em risco muito elevado de incêndio.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo, sendo o elevado o terceiro nível mais grave. Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Portugal continental e os arquipélagos da Madeira e Açores apresentam ainda risco muito elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV) durante este fim de semana. Devido ao risco muito elevado de exposição à radiação UV em todo o país, o IPMA recomenda a utilização de óculos de sol com filtro UV, chapéu, t-shirt, guarda-sol, protetor solar e evitar a exposição das crianças ao sol.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG