Covid-19. Nove em dez recuperados continuaram a sentir efeitos colaterais

Mais de 90% das pessoas que responderam ao inquérito disseram ter sentido efeitos colaterais, tais como fadiga, perda de olfato e de paladar ou dificuldade de concentração.

Nove em cada dez doentes que já recuperaram da infeção pelo novo coronavírus disseram ter continuado a sentir efeitos colaterais, físicos e psicológicos da doença, tais como fadiga, perda de olfato e de paladar.

O estudo, ainda preliminar, é sul-coreano e parte de um inquérito online com 965 pacientes já recuperados, 879 pessoas, ou 91,1%, responderam que estavam a sofrer de pelo menos um efeito colateral da doença, disse Kwon Jun-wook, da Agência de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia (KDCA).

A fadiga foi o efeito colateral mais comum em 26,2% das respostas, seguida da dificuldade de concentração, com 24,6%.

Outros efeitos colaterais incluíram sintomas psicológicos ou mentais e perda do paladar ou do olfato.

Kim Shin-woo, professor de Medicina Interna da Escola de Medicina da Universidade Nacional Kyungpook, em Daegu, procurou a participação de 5762 pacientes recuperados na Coreia do Sul e 16,7% deles entraram no estudo, disse Kwon à Reuters.

A Coreia do Sul também está a conduzir um estudo independente com cerca de 16 organizações médicas sobre potenciais complicações provocadas pela doença, através de uma análise pormenorizada que envolve tomografias em pacientes recuperados. Os resultados devem ser divulgados no próximo ano, disse Kwon.

A Coreia do Sul registou 38 novas infeções até a meia-noite de segunda-feira. O país contabiliza 23 699 casos e 407 mortes devido à doença.

Mais Notícias