NASA testa foguetão espacial mais poderoso de sempre

Agência espacial norte-americana está a desenvolver um mega foguetão para enviar humanos à Lua e, eventualmente, a Marte

A NASA está a desenvolver um mega foguetão para voltar a enviar humanos à Lua e, posteriormente, a Marte. Os últimos testes críticos do lançador gigante devem ocorrer nas próximas semanas, escreve a BBC.

O foguetão em desenvolvimento no sul do estado norte-americano do Mississippi, o Sistema de Lançamento Espacial (SLS) mede 65 metros e representa o veículo espacial mais poderoso alguma vez feito, com quatro poderosos motores na sua base e dois impulsionadores de combustível sólido presos nas laterais.

O foguetão, quando totalmente montado, fornece a enorme força de impulso necessário para expelir os astronautas para fora da Terra e lançá-los em direção ao espaço profundo. Na concretização do programa Artemis, o próximo homem e a primeira mulher serão enviados para a superfície lunar em 2024.

O SLS será o lançador para o primeiro voo tripulado ao único satélite natural da Terra desde o Apollo 17 em 1972 e é considerado um herdeiro moderno do Saturn V, o foguetão gigante que levou a cabo as missões lunares Apollo.

Após uma década em desenvolvimento, o SLS está a aproximar-se de uma fase decisiva, uma vez que o programa de testes está a chegar ao fim. O voo inaugural do foguetão está programado para novembro do próximo ano.

Durante a primeira missão no próximo ano, conhecida como Artemis-1, o SLS lançará uma cápsula não tripulada Orion em órbita em torno da lua, o que permitirá que a NASA avalie a cápsula antes de os astronautas levarem a cabo a missão.

"Vamos passar cerca de duas semanas a analisar os dados para ter certeza de que todos os sistemas se comportaram conforme o esperado", disse John Shannon, vice-presidente e diretor do programa SLS da Boeing. "Vamos sair e inspecionar o veículo, para que não haja surpresas", acrescentou.

O SLS terá custado mais de 17 mil milhões de dólares (14,4 mil milhões de euros) até o final deste ano, mas sem modificações significativas, nenhum foguetão comercial existente pode enviar a Orion, astronautas e cargas pesadas para a Lua de uma só vez.

Não há qualquer sinal claro do que a administração de Joe Biden pretende fazer com o programa de voo espacial humano.

O esforço da Artemis conta com apoio bipartidário, mas alguns legisladores do Capitólio poderão não ser necessariamente tão apegados à meta traçada no ano passado por Mike Pence, que pretendia pousar humanos na Lua até 2024.

Mais Notícias