EUA começam fase 3 dos testes a vacina contra a covid-19. E serão duas doses

A farmacêutica AstraZeneca confirmou nesta segunda-feira que iniciou a fase 3 da vacina contra o novo coronavírus nos EUA. É a terceira empresa a fazê-lo. Deverá ser dada em duas doses quando chegar ao mercado.

A AstraZeneca divulgou que está a "recrutar 30 mil adultos com 18 anos ou mais, de diversos grupos raciais, étnicos e geográficos, que sejam saudáveis ou que tenham condições médicas estáveis, incluindo aqueles que vivem com VIH, e em risco elevado de contrair infeção pelo vírus SARS-CoV-2".

Os participantes deverão receber duas doses - uns da vacina, outros de placebo, com quatro semanas de diferença, segundo a CNN.

Com o nome de AZD1222, a vacina da AstraZeneca combina uma versão enfraquecida de um vírus que causa uma gripe comum em chimpanzés e uma proteína do vírus que causa covid-19 para induzir uma resposta imune. Uma vez autorizada a produção, a farmacêutica diz querer trabalhar com governos e organizações na produção de milhões de doses e criar acesso alargado e equitativo à vacina.

Reino Unido, Brasil e África do Sul já estão a realizar a fase 3 dos ensaios clínicos da vacina. Japão e Rússia também estão na calha para a realização destes testes.

Esta vacina, que está a ser desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford, que a licenciou, e é apoiada pelo governo norte-americano, à semelhança do que acontece com a investigação das farmacêuticas Moderna e Pfizer/BioNTec. Também chegará à Europa, à luz do acordo celebrado com a União Europeia para a compra de 300 milhões de doses (6,9 milhões das quais para Portugal).

Neste momento, existem 130 vacinas contra a covid-19 a ser investigados no mundo. Rússia e China dizem já ter começado também a testar em seres humanos. A Rússia diz pretender que esteja pronta até ao final do ano, e a China confirmou a vacinação em funcionários em pontos-chave como profissionais de saúde e postos alfandegários.

Nesta segunda-feira, a Organização Mundial da Saúde aconselhou os países a não apressarem o desenvolvimento de vacinas nem as autorizações.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG