Bolseiros protestam em noite de festa da ciência

Noite Europeia dos Investigadores marcada por concentração dos bolseiros de investigação científica, que contestam a precariedade em que "vivem há décadas"

Hoje, a partir das 20.30, os bolseiros de investigação científica vão concentrar-se à porta do Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa, onde estarão a decorrer as atividades da Noite Europeia dos Investigadores.

A ABIC, a associação dos bolseiros de investigação científica, que organiza o protesto, espera "ter entre 50 e cem bolseiros na rua, em Lisboa", como adiantou ao DN Marta Matos, vice-presidente da ABIC. Mas o protesto está planeado também para as outras cidades onde decorre o evento, como Braga, Coimbra ou Évora.

"Numa noite como esta, dedicada aos investigadores e ao seu trabalho, não podíamos deixar de estar presentes para passar a nossa mensagem", explica a responsável da ABIC. "Parte essencial da investigação científica no país é feita pelos bolseiros em condições de direitos laborais muito reduzidos", sublinha.

Um dos principais problemas é o da proteção social. Ou a falta dela. "As bolsas não têm descontos para a Segurança Social, pelo que a nossa única possibilidade é a do seguro social voluntário, que é muito pequeno, e que em caso de doença só dá um apoio muito reduzido", esclarece Marta Matos. Além disso, entre bolsas, períodos que podem durar meses, os bolseiros não têm acesso a qualquer proteção ou subsídio de desemprego.

É por isso que a ABIC defende que todas as bolsas de investigação devem "ser transformadas em contratos de trabalho, independentemente do grau ou do vínculo, e com a consequente atribuição de todos os deveres e direitos inerentes à condição de trabalhador, incluindo o acesso a uma Segurança Social digna".

Marta Matos dá um exemplo. "Desde há um ano que está em vigor decreto-lei 57, de 2017, que estabelece a contratação de doutorados, e mesmo assim, continua a haver projetos que, em vez de uma posição com contrato de trabalho, abrem uma bolsa". E os investigadores, diz, "continuam a saltar de bolsa em bolsa, entre projetos, estamos cansados disso".

É por isso, conclui Marta Matos, "que este [a Noite Europeia dos Investigadores] é mais um momento importante para passarmos a nossa mensagem".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG