Andámos 300 anos enganados. Os espermatozoides não "nadam" como enguias

Descobertas recentes colocaram em causa o que se pensava há séculos sobre a forma como os espermatozoides se deslocam. Em vez de serpentearem, têm um movimento semelhante a um saca-rolhas.

Investigadores da Universidade de Bristol e da Universidade Nacional Autónoma do México contrariam a ideia tradicional da forma utilizada pelos espermatozoides para se deslocarem. Num estudo publicado na revista científica Science Advances, os cientistas defendem que estes estes não nadam tal como uma enguia, uma ideia que prevalecia há 300 anos.

Até ao momento, a mobilidade dos espermatozoides baseava-se nas descobertas do holandês Antonie van Leeuwenhoek, que em 1678, com os primeiros microscópios, analisou o esperma. Na altura descreveu esse movimento como o de uma "cauda que, ao nadar, serpenteia, como enguias na água". O novo estudo afirma que esta observação se trata de uma ilusão ótica.

Com recurso à microscopia em 3D, os investigadores Hermes Gadêlha, Gabriel Corkidi e Alberto Darszon conseguiram reconstituir o verdadeiro movimento do espermatozoide.

Utilizaram uma câmara de alta velocidade capaz de capturar 55 mil imagens por segundo e um microscópio adaptado com um dispositivo que gera tensão elétrica, permitindo mover a amostra a elevada velocidade para cima e para baixo. Foi assim possível captar o movimento completo das células em 3D. Essas imagens relevaram que a cauda do espermatozoide se mexe apenas para um lado.

Desta forma, para conseguir nadar para a frente, ele gira, como um saca-rolhas.

O estudo revela que sua cauda está de facto torcida e apenas balança para o lado. Embora isso deva significar que o movimento unilateral o faria nadar em círculos, o esperma encontrou uma maneira de se adaptar e nadar para a frente.

Quando visto com microscópios bidimensionais, o movimento rápido e sincronizado dá a ilusão de ótica de que a cauda se mexe de um lado para o outro simetricamente. Mas acontece que seu bater é assimétrico e acontece apenas de um lado. É como remar uma canoa com um único remo e que produz um movimento circular, observam os autores.

Mais Notícias