Amazónia pode estar a passar de floresta tropical a savana

Esta é uma mudança que demora décadas, mas cerca de 40% da floresta já está num ponto de viragem. Alteração pode ser irreversível, apontam especialistas.

Parte da Amazónia pode deixar de ser uma floresta tropical para passar a ser uma savana por causa das alterações climáticas. A humidade, os incêndios e as secas estão a transformar a terra, onde, dentro de pouco tempo, será difícil continuar a plantar a mesma quantidade de árvores, alerta um estudo publicado na revista científica Nature Communication.

Segundo os autores do documento, cerca de 40% da floresta sul-americana já está a atingir um ponto em que tanto pode ser uma floresta tropical - caracterizada por uma maior diversidade de espécies - como uma savana. E, embora esta mudança leve década a ocorrer, uma vez em curso é difícil de reverter.

Nos últimos tempos, a Amazónia tem diminuído a quantidade de chuva, sinal de uma floresta saudável, e uma proteção contra os incêndios.

Os avisos não são novos. No ano passado, o tema foi alvo de um grande debate na sequência dos incêndios que atingiram a floresta, os piores da última década. A maior floresta tropical do mundo perdeu 9762 quilómetros quadrados de sua cobertura vegetal, aumentando a taxa de desflorestação em 29,5% entre agosto de 2018 e julho de 2019.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta, com cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados, que inclui territórios do Brasil, Peru, Combia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa.

"As florestas tropicais de todos os continentes estão muito sensíveis às alterações climáticas"

"As florestas tropicais de todos os continentes estão muito sensíveis às alterações climáticas e podem perder rapidamente a sua capacidade de adaptação. Uma vez perdidas, a sua recuperação pode levar décadas e até lá podem perder-se milhares de espécies que habitam nestes ecossistemas", alerta Ingo Fetzer, um dos autores do estudo, citado pelo jornal inglês The Guardian.

O estudo, realizado pelo Centro de Resiliência de Estocolmo, é baseado em análise de dados.

Mais Notícias