Maioria quer mais canais "no imediato", mas há divisões

Grande parte dos participantes da consulta pública ao futuro da TDT defende aumento de canais, no imediato. Particulares querem mais, mas instituições divididas com alargamento.

Particulares e participantes institucionais na consulta pública sobre o futuro da Televisão Digital Terrestre (TDT) não estão de acordo com o aumento de canais generalistas e regionais e locais. Dos cerca 50 contributos (que conta com cidadãos, especialistas, canais e associações) analisados pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), os particulares defendem mais serviços "em SD, de modo a maximizar a oferta existente".

Cerca de 1/3 diz, na análise da ERC, que "o aumento deve ser feito pela inclusão dos serviços de programas da RTP" por ser "financiada através da contribuição audioviosual". Os canais temáticos RTP Informação e RTP Memória deveriam, assim, ter entrada imediata, mas as instituições participantes (entre as quais a SIC e a TVI)têm uma visão contrária:"Iria desequilibrar o mercado e prejudicar os operadores privados".

Na consulta pública - em que a Cofina e TV Record demonstram interesse em estar na TDT -, os participantes institucionais dividem-se quanto ao aumento de canais. A Anacom iniciou, em matéria de custos do preço do serviço cobrado aos operadoes pela PT, "uma investigação aprofundada aos custos e proveitos do serviço de TDT prestado pela PT".

Leia mais na edição impressa do DN

Mais Notícias

Outras Notícias GMG