Alegada vítima nega ter sido violada no "Big Brother"

Uma concorrente negou hoje à polícia ter sido abusada por um outro concorrente do "Big Brother" brasileiro. Também o alegado agressor, já expulso pela Globo, recusou a violação.

O delegado da Polícia da Taquara, que tomou conta da ocorrência e que interrogou hoje Monique, 23 anos, e Daniel, 31, os protagonistas desta polémica no reality show, deu uma conferência de imprensa em que revelou que ambos negaram a alegada violação.

A polémica, que fez as audiências do programa (já na 12.ª edição) disparar, começou na madrugada de sábado, quando os dois concorrentes se envolveram em cenas mais escaldantes debaixo do edredão. Muitos espetadores acharam que Monique estava a dormir e que Daniel teria abusado dela.

A simples especulação levou a polícia a intervir. Depois de a jovem ter sido ouvida na segunda-feira, voltou a ser interrogada hoje. O mesmo aconteceu com o alegado agressor, já eliminado do programa pela Globo.

De acordo com o delegado António Ricardo Nunes, Monique e Daniel confirmaram a troca de carícias mas negaram a violação. "Eles confirmaram que se tocaram debaixo dos cobertores, com consentimento dos dois. Mas, se precisar, vamos ouvi-los novamente", disse o delegado, que não descartou uma acareação.

Além disso, explicou o delagado, a jovem recusou fazer o exame de corpo de delito. "O exame é a prova da materialidade. Se ela se recusar a fazer, o problema é dela. Vamos tomar as iniciativas que nos cabem. Isso não vai ficar em branco", afirmou na conferência de imprensa.

A polícia quer ter a certeza de que a jovem não estava inconsciente quando se deu a situação, pelo que recolheu a roupa interior e o edredão para análise.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG