Sky News tira do ar jornalista que mostrou capa do Charlie Hebdo e pede desculpa ao público

Canal de informação britânico Sky News recusa-se a divulgar a capa do jornal satírico francês com uma caricatura de Maomé.

O incidente aconteceu esta noite durante a emissão do programa Sky News Tonight. Caroline Fourest, jornalista do jornal satírico Charlie Hebdo, falava em direto de Paris e reclamava por os órgãos de comunicação social britânicos não divulgarem a capa do jornal que hoje voltou às bancas. Durante a sua intervenção, pegou num exemplar e virou-o para a câmara. A Sky rapidamente retirou-a do ar e a pivô do programa pediu desculpa aos espetadores "que possam ter ficado ofendidos".

"Tenho muita pena que os jornalistas no Reino Unido não nos apoiem, que os jornalistas no Reino Unido atraiçoem o que é o jornalismo por pensarem que as pessoas não podem ser suficientemente adultas para decidir se um desenho é ou não ofensivo", disse Carloline Fourest, em direto na SkyNews.

"É que nem sequer estão a mostrar isto". Com estas palavras, tentou mostrar a capa de hoje do jornal satírico para onde trabalha, com uma caricatura de Maomé chorando e o titulo "Tudo está perdoado". É a primeira edição do Charlie Hebdo após o atentado à sua redação no dia 7 de janeiro, no qual morreram 12 pessoas.

A estação "cortou" de imediato o direto e regressou a estúdio, onde a pivô ainda disse: "Nós na SkyNews decidimos não mostrar essa capa, por isso agradecemos, Caroline, que não mostre isso".

Depois, virou-se para a câmara e acrescentou: "Pedimos desculpa aos nossos espetadores que possam ter ficado ofendidos".

A maioria dos órgãos de comunicação social britânicos e norte-americanos optaram por não divulgar os cartoons do Charlie Hebdo com o argumento de que são ofensivos.

A religião muçulmana proíbe qualquer representação pictórica de Alá ou do seu profeta, Maomé.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG