Deco pede reunião à ZON para explicar oferta de fibra óptica

A DECO vai pedir uma reunião à ZON para ficar a conhecer o novo produto "ZON Fibra", que, segundo a operadora, permite velocidades de navegação de 100 megabits por segundo, confirmou o secretário-geral da associação à agência Lusa.

"Temos uma reunião pedida com a ZON para sabermos como é que o serviço da operadora é assegurado e montado", revelou à agência Lusa o secretário-geral da DECO, Jorge Morgado.

A PT, noticiou hoje o Jornal de Negócios, entregou uma queixa no ICAP (Instituto Civil de Autodisciplina da Publicidade), alegando que a palavra "fibra" está a ser incorrectamente utilizada pela ZON. O ICAP já confirmou à Lusa a recepção da queixa.

O secretário-geral da DECO afirmou já ter tido contactos com a PT, cuja oferta na área da fibra óptica é o MEO Fibra, e lembrou as afirmações do presidente executivo da empresa, Zeinal Bava, no debate deste mês sobre telecomunicações do Diário Económico, onde lançou uma farpa ao seu homólogo da ZON, Rodrigo Costa.

"Estamos determinados a ser líderes na área da televisão e por isso investimos em tecnologia, na fibra óptica, na entrada em vossa casa. E em 'checkar' se está lá mesmo a fibra", disse Zeinal Bava durante o debate.

Estas "declarações públicas" do presidente executivo da PT, acrescenta Jorge Morgado, a que se juntam "algumas dúvidas sobre se a oferta da ZON leva ou não a fibra à casa das pessoas, e se a operadora cumpre ou não as velocidades [de navegação] que anuncia", estão entre as razões do pedido de reunião da Deco com a ZON.

Independentemente da queixa apresentada pela PT no ICAP, o secretário-geral da Deco, Jorge Morgado, garante: "A posição da DECO não é cair no colo de uma ou da outra empresa. A ANACOM tem de actuar nesta matéria e fazer as medições. Isto não pode estar nas mãos do marketing das empresas. A fiscalização tem de chegar onde os consumidores não chegam pelos próprios meios".

Até ao momento, a DECO ainda não recebeu contudo qualquer queixa sobre o novo produto da ZON.

Contactada pela Lusa, fonte da Autoridade Nacional das Comunicações (Anacom) revelou que o regulador já recebeu três queixas de consumidores sobre a ZON Fibra, e lembrou que, com ou sem queixas, faz periodiocamente estudos para medir as velocidades de navegação das ofertas mais representativas dos vários operadores. O regulador lembra também que já foi lançado o concurso público para a realização do quarto estudo para medir a qualidade do serviço de acesso à internet, incluindo as velocidades de navegação.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG