Simões Ilharco

Opinião

Acalmia política e não tempestade

Tive muita dificuldade, sinceramente, em compreender a manchete do jornal PÚBLICO, no dia seguinte às eleições: Marcelo sai reforçado em noite de tempestade política. Não consigo, de facto, perceber que tempestade houve nestas presidenciais. Vejamos: Marcelo ganhou folgadamente, como se previa, Ana Gomes ficou em segundo e André Ventura em terceiro, tal como era também expectável. E a afluência às urnas foi expressiva, nada de acordo com os cenários catastróficos que se fizeram. Onde estará a tempestade política? Não a vejo.

Opinião

Marcelo aquém de Soares, Ana Gomes um Otelo de saias

Com o anúncio da recandidatura do Presidente Marcelo, tão esperado era que não passou de uma formalidade, as eleições presidenciais passaram a dominar a agenda política. Dir-se-á que deram o tiro de partida. E a pouco mais de um mês da sua realização, a vitória de Marcelo à primeira volta é quase certa, embora aquém dos 70 por cento de Mário Soares. O grande sonho político do actual Presidente, ser o recordista dos scores eleitorais, não deverá concretizar-se, continuando Soares a desfrutar dessa honra - o mais votado Presidente de sempre. Apesar de a vitória de Marcelo estar praticamente garantida, não creio que esta circunstância roube interesse à corrida a Belém, tanto mais que só o facto de haver uma candidata chamada Ana Gomes assegura, desde logo, o folclore político, a animação eleitoral.