Raúl M. Braga Pires

Raúl M. Braga Pires

Macron, os Harkis e as presidenciais 2022

Nesta semana o presidente (PR) francês, Emmanuel Macron, pediu formalmente desculpas em nome da França, aos Harkis. Os Harkis são "os bissau-guineenses franceses" que, apesar de terem lutado ao lado do colonizador, foram por estes abandonados na hora do acerto de contas das lealdades e da honra. Serão cerca de 200 mil estes argelino-franceses, dos quais cerca de metade terão conseguido, ao longo de décadas, "reganhar" a França, após uma primeira leva de 48 mil em 1962 e anos seguintes. Até ao final do ano, o PR francês também prometeu ter um pacote de reparações pronto a apresentar a estes attentistes de justice, literalmente "esperistas da justiça", tal longa vai a espera. 60 anos!

Raúl M. Braga Pires

A Argélia em chamas

A tragédia teve inicio a 3 de agosto e apenas passou a ter a atenção das televisões portuguesas nesta semana, por via do número de mortos que foi causando. Impossível não noticiar a morte de 25 militares e 17 civis directamente implicados no combate às chamas. Normal, há mercados para os quais só olhamos quando rebentam bombas ou morrem pessoas em números que vendam! O "mercado islâmico" mais próximo ou mais longínquo é geralmente estereotipado e priorizado desta forma por nós. De tal forma assim acontece que a maioria dos portugueses acha que o norte de África é só deserto. Logo, não arde!

Raúl M. Braga Pires

Portimão/Faro-Tânger ou Portimão/Faro-Casablanca? A escolha é sua!

A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Marroquina (CCILM), associada à Embaixada de Marrocos em Portugal, procede actualmente a um levantamento público sobre o interesse do tecido empresarial português e dos particulares também, sobre a criação de uma ligação marítima entre ambos os países, criando-se assim uma alternativa ibérica ao existente exclusivo espanhol. O mais provável e lógico é que esta ligação se faça entre o Algarve e Tânger, ficando apenas a dúvida entre Faro e Portimão, enquanto ponto de partida e chegada. Acedendo ao sítio da CCILM, poderá solicitar via mail o respectivo formulário e dar o seu contributo.

Raúl M. Braga Pires

Argélia: legislativas antecipadas e vazias

A Argélia não está bem e estas legislativas, de amanhã, não trarão a solução, podendo aliás agravar ainda mais o problema. Desde o surgimento do Hirak-Movimento, que se insurgiu contra um mais que certo quinto mandato do ex-presidente (PR) Bouteflika, caso tivesse levado a sua avante em 2019, que a situação política interna se complicou. A momentânea vitória do Hirak e dos argelinos em geral, ao impedir tal vontade de um perpétuo democrático, criando a ilusão da mudança geracional, não evitou o inevitável momento de transição que, por muito optimista que seja, é sempre momento de tensão entre a resistência dos que saem e o pulso dos que entram. E o momento ainda é esse, de tal forma, que foi o que motivou a demissão do primeiro-ministro em janeiro e a convocação destas eleições.

Raúl M. Braga Pires

Azawad independente, utopia ou mentira colectiva?

Celebrou-se no passado dia 6 o 9.º aniversário da declaração unilateral de independência de Azawad, face ao restante Mali, decretada pelo Movimento Nacional de Libertação de Azawad (MNLA). Trata-se da utopia tuaregue que tem alimentado o ideário das várias confederações tribais dos "homens azuis" que povoam maioritariamente o norte do Mali, desde o período colonial francês. A luta pela libertação do Mali, neste contexto e período, sempre foi encarada pelos tuaregues como a luta pela libertação do seu território saheliano face ao Mali subsariano, verde na paisagem e negro na demografia.