Mário Soares

Ilustração de André Carrilho
Exclusivo

Pedro Melvill de Araújo

O médico que se emociona quando o Dakar passa no Chile com a bandeira portuguesa

É na sua casa em São Martinho, freguesia do Funchal, que explica ser "a que fica perto do estádio dos Barreiros" e que engloba ainda os principais hotéis do litoral madeirense, que o médico Pedro Melvill de Araújo toma comigo este brunch via Zoom. "Bom dia", diz-me o também diretor do Rali Vinho da Madeira, erguendo uma chávena. "Café ou chá?", pergunto eu, a 972 quilómetros em linha reta, bebendo um expresso na redação do DN em Lisboa. Com um bom pedaço de Atlântico entre elas, a distância entre a capital da região autónoma e a capital do país é mais ou menos igual àquela entre Lisboa e Barcelona. Fico a saber que Pedro optou pelo chá. E confessando eu só uma vez ter visitado a belíssima ilha da Madeira pergunto onde, se este brunch limitado pela pandemia tivesse sido possível mesmo no Funchal, estaríamos agora. "Numa pastelaria engraçada que fica na estrada mesmo em frente ao Hotel Reid"s. Chama-se Petit-Four, como os bolinhos franceses, e é de um tio meu, José Henrique Cunha, que já tem 80 anos mas ainda está bem ativo", responde. Fica combinado um lanche a sério um dia destes na pastelaria vizinha do mais famoso hotel da ilha, cujo nome vem de uma família escocesa que no século XIX comerciava vinho Madeira, o tal que até serviu para Thomas Jefferson e os outros signatários em 1776 da Declaração de Independência dos Estados Unidos brindarem. E por falar em figuras históricas, Winston Churchill costumava ficar no Reid"s quando vinha à Madeira para descansar e pintar.