Lares de idosos

Presidente da União das Misericórdias Portuguesas diz que "a pandemia é só a crista da onda da falta

Entrevista a Manuel Lemos

"No fim, veremos que foi em Portugal que se morreu menos em lares"

A pandemia da covid-19 trouxe aos lares o pior dos últimos tempos. "Ninguém estava preparado", diz Manuel Lemos, o presidente da União das Misericórdias Portuguesas. Na altura, o apoio do Estado ao setor foi criticado. E há dias o setor social e o governo assinaram novo acordo - "um compromisso" - que não era desejado, mas o que foi possível. Amanhã, será assinado mais um protocolo, no âmbito do PRR, que irá "permitir construir mais lares". Mas a pandemia trouxe também algo que há muito era inevitável: a mudança para que o futuro seja diferente.

Cascais

Lar de Cascais acusado de deixar cadáver junto de utentes abre inquérito interno

Um corpo terá ficado mais de 24 horas numa cama, à espera de ser recolhido, ao lado de outros utentes num dormitório, segundo uma reportagem emitida pela TVI. Lar da Santa Casa da Misericórdia de Cascais diz não ser verdade que "um corpo de um falecido tenha permanecido mais de 24 horas num quarto" e que os doentes não dormiram no quarto com um cadáver.

Covid-19

Testes "de prevenção" em lares arrancaram em Lisboa e no Algarve

Os testes de "prevenção" do covid-19 arrancaram em Lisboa e no Algarve, o que se deve à intervenção do Instituto de Medicina Molecular e da Universidade do Algarve, que se comprometeram a realizar 16 mil testes. Há mais 12 instituições de ensino a prepararem-se para se alargar a colheita de amostras a todo o país.

Exclusivo

Leiria

A vida depois dos 100 anos. Há um lar com três centenários

Há um lar de idosos em Leiria onde moram vários centenários - a mais velha com 110 anos. Andam pelo próprio pé, tomam poucos medicamentos e ainda fazem planos. Entre as 4268 pessoas com mais de 100 anos que viviam em Portugal no ano passado, a região centro destaca-se na liderança. Médicos e outros técnicos ligados à geriatria atribuem esta longevidade aos medicamentos, à genética, mas também aos cuidados de saúde e higiene que, paradoxalmente, aumentam nos lares.