Cérebro

Cérebro

Aprenda a banir o stress antes das férias

O stress é já uma constante no quotidiano da maior parte das pessoas. Quer seja no trabalho ou em casa, os seus níveis de cortisol, a hormona responsável pelo stress, tendem a estar aumentados devido ao ritmo acelerado em que vivemos. Mas o stress não é todo igual: pode sentir stress físico, como o que sente antes de ir correr a maratona, ou stress mental, como quando se sente mais ansiosa ou preocupada com alguma situação. Independentemente do tipo de stress, o que é transversal a todos é o facto de este problema gerar alterações ao nível cerebral, especialmente na […]

ajuda

«A minha filha de 11 anos de vez em quando tem uma espécie de «ataques» por pensar na morte»

Temos consultório aberto 24 horas por dia, todos os dias, pelo e-mail consultorio@dnlife.pt. Envie as suas dúvidas sobre saúde e bem-estar, físico e mental. Nós respondemos, com a ajuda de médicos e especialistas. Hoje, o pediatra Lino Rosado responde a uma questão relacionada com o medo da morte por parte de uma criança. A minha filha de 11 anos de vez em quando tem uma espécie de «ataques». De repente, começa chorar, fecha os olhos e os punhos e corre para mim como se estivesse a fugir e diz «mãe, estou a pensar naquilo». Pensar naquilo é pensar na morte, [...]

Opinião

O segredo da memória de elefante

Com a chegada da época dos exames e avaliações escolares, os lamentos são habituais: «Ah! Se eu tivesse mais capacidade de concentração!» «Ah! Se eu tivesse mais memória!» É neste contexto que, muitas vezes, os jovens encontram nos anúncios de televisão a solução para estas «limitações»: suplementos alimentares. Prometem aumentar as capacidades cognitivas, mas também resolver problemas de cansaço, melhorar o sistema imunitário, resolver estados depressivos. O problema é que não existem ensaios clínicos que confirmem que estes suplementos são eficazes naquilo a que se propõem. Jovens e pais acabam por cair na falácia de tentar «comprar» memória em caixinhas. [...]

Comportamento

Diana Prata: «A empatia é uma vantagem evolutiva, não convém nada perdê-la»

Aos 39 anos, tem um laboratório com o seu nome no Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, o Diana Prata"s Lab, na área da neurociência biomédica. Ali, com uma equipa multidisciplinar, estuda o cérebro e a biologia do comportamento social. Mais precisamente, estuda uma hormona chamada oxitocina e o papel que esta desempenha na forma como nos relacionamos uns com os outros e em sociedade. Os resultados poderão revolucionar a terapêutica de doenças mentais como a esquizofrenia, o autismo, a depressão ou a ansiedade. Entrevista Catarina Pires | Fotografia Reinaldo Rodrigues/Global Imagens [...]

Comportamento

Gostaria de apagar as más memórias? É possível

A palavra «recordar», do latim recordare, significa etimologicamente «voltar a passar pelo coração». É importante lembrar aqueles momentos determinantes da nossa vida em que fomos felizes, em que tudo à nossa volta parecia simples e bom ou até apenas normal, quotidiano. O problema acontece quando recordamos os momentos que nos causaram dor e daríamos tudo para esquecer. Pois, fique a saber que pode treinar o cérebro para isso.