Bairro Alto

7 dias, 7 propostas por Mafalda Soares da Cunha
Exclusivo

Teatro Romano de Lisboa

7 dias, 7 propostas por Mafalda Soares da Cunha

1.Passeio Histórias (e locais) de Resistências Ribeira de Lisboa e Largo de São Roque Domingo, 31 de novembro Coordenei o livro Resistências - Insubmissão e Revolta no Império Português (edição LeYa/Oficina do Livro) constituído por 50 casos, relatados por 35 historiadores, muitos dos quais ligados ao projeto financiado pela Comissão Europeia Resistance, Rebellion and Resistance in the Iberian Empires. O desafio de hoje é pegar no livro e escolher um local emblemático para o ler, como em plena Ribeira de Lisboa (corresponde à zona entre o Terreiro do Paço e a Ribeira das Naus), onde a inquisição levava a cabo os seus autos-de-fé e onde, como se lê numa das histórias, foi condenada a mourisca Isabel Afonso em 1557. Não muito longe dali outra mourisca, Isabel Fernandes, mais conhecida por Maçuda, carregava água do Poço do Borratém, junto à Mouraria. No livro encontramos ainda locais como o Convento de São Roque (hoje ainda subsiste, no Largo Trindade Coelho, a igreja e o museu com o mesmo nome) onde vivia o mourisco Sebastião Quaresma; ou a Rua das Parreiras, junto ao Convento das Chagas (reduzida a escombros no terramoto), onde morava a padeira Mariana da Costa, nascida em Mazagão e presa pela Inquisição por blasfémia. Também a antiga Cadeia do Tronco (no pátio com o mesmo nome, na Rua das Portas de Santo Antão) foi o local onde foram presas algumas das mulheres negras que se revoltaram em Lisboa, em 1717, como se pode ler no livro. Quem estiver na zona de Setúbal pode também instalar-se na ribeira dessa cidade e ler as histórias de rebeldia das mulheres mouriscas que "ganhavam a vida na ribeira", preparando, salgando e vendendo o peixe que os homens pescavam. Os leitores que estejam em - ou se desloquem a - Mafra poderão também descobrir neste livro que a construção do convento foi feita à custa do trabalho forçado de milhares de homens deslocados de variadas partes de Portugal à revelia da sua vontade.