Anselmo Borges

Anselmo Borges

O Papa Francisco confessa-se (2)

Penso muitas vezes na solidão do Papa. Chega ao Vaticano, que não conhece por dentro, concretamente, a sua secular e gigantesca burocracia. Não tem mulher nem família com ele. E os amigos?! Sabe que os seus gestos, atitudes, discursos, homilias, tudo será escrutinado até ao mínimo pormenor. Vive e trabalha num palácio, os guardas fazem-lhe continência ao passar. Aquele palácio é testemunha de muitas histórias, ao longo do tempo, tantas vezes nada, mesmo nada, edificantes, pelo contrário, revelando o pior da natureza humana e do poder, sobretudo quando absoluto.

Anselmo Borges

'Fratelli tutti' (1)

1. Fratelli tutti (irmãos todos) é o título da nova encíclica do Papa Francisco, abrindo horizontes novos para a humanidade mergulhada numa profundíssima crise global. Cita Francisco de Assis escrevendo aos seus irmãos e irmãs para lhes propor uma forma de vida segundo o Evangelho, convidando-os a um amor que ultrapassa as barreiras da geografia e do espaço: feliz quem ama o outro, "o seu irmão que está longe ou que está perto". Inspira-se, pois, em Francisco de Assis: não é acidental que, publicada com a data de 4 de Outubro, a tenha ido assinar na véspera sobre o seu túmulo, em Assis. Não é a única fonte de inspiração: estão também presentes outros líderes espirituais e políticos, como Charles de Foucauld, Martin Luther King, Desmond Tutu, Mahatma Gandhi... O subtítulo da carta: "Sobre a fraternidade e a amizade social", explicitado nestes termos: "Entrego esta encíclica social como humilde contribuição para a reflexão, a fim de que, perante as várias formas actuais de eliminar ou ignorar os outros, sejamos capazes de reagir com um novo sonho de fraternidade e amizade social que não se limite a palavras." Embora partindo das suas convicções cristãs, quer dirigir-se a todas as pessoas de boa vontade, num diálogo sincero e plural, para a realização de um sonho comum de dignificação de todos. "Sonhemos como uma única humanidade, como caminhantes da mesma carne humana, como filhos desta mesma Terra que nos alberga a todos, cada qual com a riqueza da sua fé ou das suas convicções, cada qual com a própria voz, mas todos irmãos."

Anselmo Borges

Bento XVI. Uma vida (2)

Estudante de Teologia, J. Ratzinger destacou-se entre todos e viveu esses anos mergulhado na grande ebulição teológica que se seguiu à Guerra, preparando um novo futuro para a Igreja. A orientação era o diálogo entre a fé e a razão, a racionalidade e a beleza, o diálogo ecuménico, a "Teologia Nova"..., seguindo a verdade, porque "a renúncia à verdade não resolve nada, pelo contrário, leva à ditadura do arbitrário". Foi ordenado padre com o irmão a 29 de Junho de 1951. Tornou-se capelão, ouvindo confissões aos Sábados durante quatro horas e aos Domingos celebrando duas missas e duas ou três pregações. Doutorou-se em Julho de 1953 com uma dissertação sobre "Povo e Casa de Deus na Doutrina de Agostinho sobre a Igreja". Ficou uma palavra marcante de Santo Agostinho, ao definir a Igreja como "Povo de Deus espalhado pela Terra". Para poder realizar o seu sonho de fazer carreira como professor de Teologia, preparou uma tese de habilitação (Habilitationsschrift) sobre a revelação: Offenbarung und Heilsgeschichte nach der Lehre des heiligen Bonaventura (Revelação e história da salvação segundo a doutrina de São Boaventura). Os dois exemplares exigidos foram entregues na Faculdade de Teologia Católica da Universidade de Munique no Outono de 1955. Aí, começou um drama de abismo. Michael Schmaus comunicou de modo seco, "sem qualquer emoção", que tinha de rejeitar a tese. Foi tal o choque que da noite para o dia o cabelo de Ratzinger ficou grisalho. Teria de deixar a universidade e, pensando sobretudo nos pais, "seria uma catástrofe, se tivesse de deixá-los na valeta". Razões para a rejeição, por parte de Schmaus e outros professores: Ratzinger sabe "ligar fórmulas floridas, mas onde está o cerne da questão?", "evita definições precisas", é "demasiado emocional"; mais: foi considerado "quase perigoso", "um modernista", "progressista", acabando numa "compreensão subjectivista da revelação"... No meio da tempestade, o seu orientador de tese, Gottlieb Söhngen, conseguiu que o trabalho não fosse rejeitado, mas devolvido para melhoria. "Joseph, que quer Schmaus?", brincam os colegas, gozando. Resposta: "Ser importante." Naquelas semanas dramáticas, não se zangou com Deus, mas "pediu-lhe suplicantemente auxílio". E pôs-se ao trabalho, passando a tese de 700 para 180 páginas. No dia 21 de Fevereiro de 1957, depois do debate no Grande Auditório da Universidade Ludwig-Maximilian de Munique, ouviu a palavra salvadora: "Aprovado." O que é facto é que tanto a sua dissertação de doutoramento sobre a Igreja "Povo de Deus" como a tese de habilitação sobre a revelação encontrarão forte eco nos documentos do Concílio Vaticano II. Entretanto, "era muito estimado entre os estudantes, como uma "voz da linha da frente", pois o que fazia era quase uma revelação". O Papa João XXIII foi eleito no ano seguinte, 28 de Outubro de 1958, e, em Janeiro de 1959, teve a ideia de convocar um concílio ecuménico, dando cumprimento a uma necessidade que já vinha do tempo de Pio XII. Desta vez, não era para condenar heresias, "não se tratava de resolver nenhum problema determinado", mas do todo. "O cristianismo, que tinha construído e formado o mundo ocidental, parecia perder cada vez mais a sua força formativa, parecia cansado", sublinhou Ratzinger. Ele tinha, portanto, de "erguer-se no Hoje, outra vez, para poder tornar-se de novo formativo para o Amanhã". Ratzinger ousa olhar para o futuro e torna-se, em pouco tempo, "um autêntico fã" de João XXIII: "ele fascinou-me desde o início, também por causa do seu modo não convencional, por ser tão directo, tão simples, tão humano". Entretanto, vai-se procedendo à formação das comissões preparatórias do Concílio. O cardeal J. Frings, de Colónia, era membro da comissão central. Ora, pasme-se, ele que se tinha comprometido com um discurso em Génova, foi ter com Ratzinger, já professor da Universidade de Bona: "Senhor professor, pode prepará-lo?" O discurso foi feito e publicado e, numa audiência, diz João XXIII a Frings, abraçando-o: "Eminência, tenho de agradecer-lhe. Li esta noite o seu discurso. Que feliz coincidência do pensamento! Disse tudo o que eu penso e queria dizer, mas que eu não saberia dizer." Frings: "Santo Padre, não fui eu que o fiz, mas um jovem professor." João XXIII: "A minha última encíclica também não fui eu que a escrevi, mas um perito." O biógrafo, Peter Seewald, confronta então o discurso de abertura do Concílio, a 11 de Outubro de 1962, de João XXIII, e o discurso de Frings, isto é, de Ratzinger, para mostrar as coincidências. No seu texto, Ratzinger apresenta as exigências do Concílio face às mudanças sociais do mundo, que vê marcado por três grandes movimentos: a globalização, a tecnicização e a crença na ciência. Uma das causas principais do ateísmo moderno está na "autodivinização da humanidade". Mas a ciência não pode dar resposta à "necessidade da luta ética", pois não toma a sério o homem enquanto ser moral, com liberdade e consciência. Missão do Concílio tem, portanto, de ser, em diálogo com a modernidade, formular a fé cristã como uma alternativa autêntica, vivível e digna de ser vivida. A Igreja como Povo de povos tem de ter em conta a pluralidade de formas da vida humana. Num mundo global, o catolicismo tem de ser verdadeiramente católico, plural, concretamente a liturgia "tem de ser tanto um espelho da unidade da Igreja como uma expressão adaptada das particularidades dos respectivos povos." (Continua) Padre e professor de Filosofia Escreve de acordo com a antiga ortografia

Anselmo Borges

Desconfinar a Igreja (3)

1. A crise pandémica faz-nos tomar consciência de outras crises: económica, social, ecológica, moral... E fala-se pouco dela, mas a crise mais profunda é a crise de Deus. Já Karl Rahner, um dos maiores teólogos do século XX, perguntava: o que aconteceria se a simples palavra "Deus" deixasse de existir? E respondia: "A morte absoluta da palavra 'Deus', uma morte que eliminasse até o seu passado, seria o sinal, já não ouvido por ninguém, de que o Homem morreu." Vaclav Havel, o dramaturgo e político, pouco tempo antes de morrer, surpreendeu muitos ao declarar que "estamos a viver na primeira civilização global e também vivemos na primeira civilização ateia, numa civilização que perdeu a ligação com o infinito e a eternidade", temendo, também por isso, que "caminhe para a catástrofe".

Anselmo Borges

Desconfinados e desmascarados. 2

Na crónica anterior, tentei reflectir sobre o desconfinamento. A crónica de hoje, que não põe de modo nenhum em causa a importância do uso da máscara no contexto da pandemia, tenta ser uma breve reflexão sobre outras máscaras e a necessidade do desmascaramento, outro desmascaramento. Não se dedica a um estudo aprofundado sobre a história e a riqueza cultural da máscara, desde as máscaras das divindades e dos guerreiros, passando pelo teatro, até aos bailes de máscaras e aos carnavais. Aqui, é aquela máscara que colocamos, umas vezes inconscientemente outras conscientemente, para parecermos o que realmente não somos, enganarmos os outros e enganarmo-nos a nós próprios. Temos medo e vergonha de nós, do que verdadeiramente somos? O desmascaramento é particularmente urgente numa sociedade como a nossa: sociedade do parecer, da pós-verdade, do espectáculo e, por isso, da mentira e da ilusão.

Anselmo Borges

Desconfinados e desmascarados

Claro que precisamos da devida "distância social" e do confinamento apropriado e, evidentemente, também e sobretudo, da máscara. Para preservarmos a saúde, a nossa e a dos outros. Podemos contagiar-nos uns aos outros e somos responsáveis uns pelos outros. Quem é cristão tem uma razão suplementar para isso: segundo os Evangelhos, um dos interesses e preocupações maiores de Jesus foi a saúde das pessoas. Por isso, não entendo aquele debate à volta da comunhão na mão ou na boca, havendo quem invoque razões para a comunhão na boca. Sempre fui contra a comunhão na boca, pois só damos de comer na boca às crianças. Agora, ainda mais se impõe a comunhão na mão, por causa da preservação da saúde. Ah!, e para quem continua a propugnar a comunhão na boca: não é verdade que provavelmente há línguas mais sujas do que as mãos?