"Temos que interiorizar que vamos continuar a viver em pandemia"

"Quanto mais depressa interiorizarmos a ideia de que vamos ter que conviver com isto, melhor", adverte David Neto, professor do ISPA, numa altura em que a quarta vaga se faz sentir também a nível psicológico. Em Portugal, o SNS tem apenas 500 psicólogos, quando o rácio aponta que deveria ter um por cada cinco mil habitantes.

A chegada de uma nova vaga de covid-19 está a deixar em alerta os especialistas em Saúde Mental. Numa altura em que o aumento de casos traz com ele um crescente estado de medo e stress, os psicólogos são confrontados com a necessidade de implementar estratégias de apoio por parte do Serviço Nacional de Saúde, das empresas e instituições, para prevenir o autocuidado psicológico em benefícios do bem estar-emocional. No ISPA - Instituto Universitário, estão em curso diversos estudos que apontam nesse sentido. David Neto, professor auxiliar e coordenador do mestrado em psicologia clínica, afirma ao DN a necessidade "de interiorizarmos e normalizarmos a ideia de que vamos ter que viver com esta situação pandémica durante mais algum tempo. A questão das novas variantes mostra que vamos ter que conviver com isto, com maior ou menor proteção. Quanto mais rápido aceitarmos essa ideia melhor".

O professor considera fundamental que o SNS aposte nesta área da prevenção e tratamento da saúde mental, numa altura em que o crescimento do número de casos põe em causa o desconfinamento. "O problema do confina e desconfina, nesta espécie de iô-iô, é que criamos expectativas que depois se revelam negativas", explica David Neto, que alerta para a angústia sobre o futuro e o isolamento, "que podem ser um vírus invisível, tanto ou mais preocupante que o próprio Covid-19".

No último relatório pré-covid para a área da saúde mental, intitulado "Sem Mais Tempo a Perder" (Conselho Nacional de Saúde, 2019), ficou claro que - já então - não estavam a ser postas em prática em Portugal as recomendações e as necessidades identificadas há décadas na área da saúde mental. Em tempo de pré-pandemia, já era assumido que um em cada cinco portugueses sofre de perturbações psicológicas.

"A situação em Portugal já era bastante precária antes da pandemia. Portugal tem só 500 psicólogos no SNS, por isso temos uma falta muito grande ao nível dos cuidados de saúde primários, no acompanhamento psicológico", revela David Neto, enfatizando que a pandemia veio trazer "uma maior incidência de situações de saúde mental": pessoas que já tinham alguns quadros de depressão e ansiedade viram as suas situações agravada. Outras que não tinham desenvolvido quadros psicopatológicos revelaram-no.

"O rácio ideal é um psicólogo para 5 mil habitantes", acrescenta o professor do ISPA, sendo que estamos muito longe desses valores.

Uma luz ao fundo do túnel na linha SNS24


David Neto considera que, para já, "é importante o simples reforço. Mas não é só psicólogos. Mesmo a nível da psiquiatria e da saúde mental, existe uma falha grande principalmente no domínio dos cuidados de saúde primários". O psicólogo vale-se dos exemplos de outros países para sublinhar a necessidade de Portugal lhes seguir o rasto.

Ainda assim, destaca como positiva a criação - na linha SNS 24 - de uma componente de apoio psicológico. "Não foi tudo mau. Embora, sendo importante, mas não chega. Era importante também que os casos pudessem ser identificados e tivessem encaminhamento mais direto", conclui.
Desde o início da pandemia, muitas foram as câmaras municipais que, por todo o país, criaram linhas de apoio psicológico para prestar esse apoio. E isso vem reforçar "o aspeto positivo do poder local começar a estar atento a estas necessidades", considera David Neto.

O quadro geral do país mostra um aumento da ansiedade e depressão entre todas as faixas etárias, em consequência da pandemia e - sobretudo - dos confinamentos. "Há muitas pessoas que já tinham vulnerabilidades prévias, quadros depressivos e ansiosos - para essas é importante procurar a ajuda profissional que existe. Mas há também uma dimensão de impacto económico desta situação pandémica, que afeta a sociedade de uma maneira geral. E a forma de gerir este stress associado a tudo isto tem de ser encontrada, dentro do que são as regras da DGS", afirma David Neto, que elenca uma série de pequenas dicas para manter o equilíbrio e saúde mental. Por exemplo, encontrar o espaço para manter relações com outras pessoas, "porque o apoio social é um dos fatores de mais relevância ao nível da proteção e da promoção da saúde mental, seja através das novas tecnologias, seja presencialmente respeitando o distanciamento, procurar estar com as pessoas que são mais significativas é fundamental. Manter as relações é bastante importante".

Entre o rol de conselhos úteis de "higiene psicológica", o especialista destaca "dormir bem, alimentar-se bem, fazer exercício físico - que tem um impacto a nível do humor".
Nos últimos anos várias organizações têm dedicado estudos diversos a esta temática da saúde mental. Em 2018, já a depressão e ansiedade eram os distúrbios que mais afetavam os portugueses, num leque de doenças de saúde mental que incluem ainda a bipolaridade, ou problemas com álcool e drogas.

Antes ainda, um estudo da OCDE que analisou a Europa à lupa descobriu que, só em 2015, os distúrbios do foro psicológico custaram aos cofres do Estado português quase 4% do Produto Interno Bruto (PIB).

De acordo com esse relatório, Portugal era considerado o quinto país da União Europeia com maior prevalência de doenças de saúde mental, com 18,4% da população a registar incidências, acima da média europeia - de 17,3%. Só na União Europeia os problemas de saúde mental afetam 84 milhões de pessoas.

dnot@dn.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG