Mau tempo provoca apagão e inundações na Madeira

Ilha ficou às escuras durante várias horas após descargas elétricas num dia marcado pelo mau tempo

A ilha da Madeira foi afetada ao início da noite deste sábado por um apagão geral, incluindo a cidade do Funchal, devido à tempestade que assola o arquipélago desde o início do dia, e uma parte do território permanecia ainda sem energia por volta da meia-noite.

Segundo conta o Diário de Notícias da Madeira, uma descarga elétrica provocada por um relâmpago deitou abaixo o sistema da Central Elétrica da Vitória, que abastece a ilha. No Porto Santo, a luz não foi afetada.

O Jornal da Madeira refere que foram registados 24 513 Descargas Elétricas Atmosféricas (DEA) no arquipélago da Madeira até às 18.00 deste sábado, tendo como alcance um raio de 150 quilómetros desde a cidade do Funchal.

O apagão deu-se num dia de forte tempestade na Madeira, com chuva intensa que deixou estradas intransitáveis e carros parcialmente submersos.

A chuva forte que se fez sentir causou dezenas de inundações no centro do Funchal. Dário Silva, um dos responsáveis pelo café do Teatro, junto ao Teatro Baltazar Dias, mesmo no centro da cidade​​​​​​, relatou à TSF que "as estradas estão todas cheias de pedras, estão todas fechadas, há muros no chão e está tudo arrebentado... Nem se vê nada pois estamos sem luz".

Duas famílias realojadas

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que chegou a colocar parte da ilha em alerta vermelho, mantém agora o arquipélago sob aviso laranja [Madeira] e amarelo [Porto Santo] até às 12:00 de domingo, sendo que o mau tempo afeta todo o território desde a madrugada deste sábado, com chuva forte, queda e granizo e trovoada.

No Funchal, duas famílias, no total de sete pessoas, foram realojadas devido à falta de condições de habitabilidade de duas casas inundadas.

As duas corporações de bombeiros do município - os Sapadores e os Voluntários Madeirenses - continuam envolvidas em operações da limpeza e sinalização de vias devido à queda de pedras e inundações, o mesmo ocorrendo com outras corporações da região.

O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Gouveia, disse à agência Lusa que foram já registadas mais de 100 ocorrências, sobretudo inundações e pequenos incêndios em instalações elétricas, mas não há vítimas a assinalar.

Na sequência do apagão, os bombeiros foram também chamados a socorrer várias pessoas que ficaram presas em elevadores.

"A prioridade foi salvaguardar a integridade física das pessoas", realçou Miguel Gouveia.

atualizado às 23.59

Mais Notícias

Outras Notícias GMG