Reinfeções são raras mas são precisos mais estudos sobre variantes

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) disse esta segunda-feira que as reinfeções por SARS-CoV-2 são "bastante raras", dado o nível "muito elevado" de proteção até sete meses após a infeção, mas pediu estudos devido às novas variantes.

"Há provas de que a reinfeção [por covid-19] continua a ser um acontecimento raro", refere o ECDC num relatório sobre o risco de transmissão da SARS-CoV-2 por recuperados ou vacinados contra a covid-19.

A agência europeia precisa que "estudos que acompanharam pessoas durante cinco a sete meses após a recuperação de uma infeção pelo SARS-CoV-2 estimaram que o efeito protetor da infeção anterior é muito elevado durante esse período, entre 81% a 100%". Ainda assim, "a proteção contra a reinfeção é menor em indivíduos com 65 anos ou mais", acrescenta.

O ECDC alerta, porém, que "muitos destes estudos foram realizados antes do aparecimento das variantes preocupantes do SARS-CoV-2", nomeadamente as que tiveram origem no Reino Unido, no Brasil e na África do Sul. "À medida que o número de indivíduos que adquirem imunidade natural aumenta, espera-se que o número total de infeções diminua significativamente, levando a uma diminuição geral da transmissão, a menos que as alterações genéticas nas variantes circulantes induzam a uma fuga imunitária significativa", assinala.

Em nota de imprensa, a diretora do ECDC, Andrea Ammon, diz ser "muito encorajador ver que as reinfecções do SARS-CoV-2 são bastante raras". "Embora o efeito das novas variantes nos padrões de transmissão deva ser acompanhado de perto, ainda esperamos que o número total de infeções diminua significativamente à medida que a cobertura vacinal aumenta", adianta Andrea Ammon.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG