Regulador europeu diz que benefícios da vacina da Johnson & Johnson superam riscos

Casos de coágulos sanguíneos detetados nos Estados Unidos após a toma da vacina.

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) salientou esta quarta-feira que os riscos relacionados com a vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson superam os riscos, após casos de coágulos sanguíneos nos Estados Unidos, mas remeteu uma decisão para a próxima semana.

"Enquanto a sua revisão está em curso, a EMA continua a considerar que os benefícios da vacina na prevenção da covid-19 superam os riscos de efeitos secundários", declara o regulador europeu em comunicado de imprensa divulgado esta quarta-feira. "Os pareceres científicos da agência fornecem aos Estados-membros da União Europeia a informação de que necessitam para tomar decisões sobre a utilização de vacinas nas suas campanhas nacionais de vacinação", recorda a EMA, falando sobre a vacina aprovada pelo regulador no passado dia 11 de março e que só chegou esta semana ao espaço comunitário.

Na terça-feira, as autoridades de saúde dos Estados Unidos recomendaram "uma pausa" na administração da vacina anti-covid-19 da Johnson & Johnson, para permitir investigar relatos de coágulos sanguíneos potencialmente associados à toma do fármaco.

O Centro para Controlo e Prevenção de Doenças e a Food and Drug Administration (entidade reguladora de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos) avançaram, numa declaração conjunta, estar a investigar coágulos sanguíneos detetados em seis mulheres nos dias a seguir a terem tomado a vacina desta farmacêutica, em combinação com contagens de plaquetas reduzidas.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG