Portugal ultrapassa os cem mil casos ativos de covid-19 pela primeira vez

Os dados do boletim da DGS revelam que, neste sábado, há mais 111 mortes e mais 9478 casos de covid-19. Há ainda mais 104 internamentos e mais quatro pessoas nos cuidados intensivos.

Há mais 9478 casos e mais 111 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas em Portugal, segundo os dados do relatório de situação da Direção-Geral da Saúde (DGS) deste sábado (9 de janeiro).

Desde o início da pandemia, já foram registados 476 187 casos e 7701 mortes. Há, este sábado, mais 5899 recuperados, num total de 366 080. O número de casos ativos é superior aos cem mil (102 406), tendo subido 3468 desde ontem. Nunca tinha sido tão elevado.

A sexta-feira foi o pior dia da pandemia, com um recorde de mortes (118), de novos casos (10 176) e do número de pessoas internadas com covid-19 (3451).

No boletim deste sábado, o recorde de internamentos é novamente batido, com mais 104 (são agora 3555) mais quatro pessoas nos cuidados intensivos (540). Também nunca tinha havido tantos doentes nestas unidades.

O maior aumento de número de casos é na região Norte (3377), mas o número mais elevados de mortes diário é registado em Lisboa e Vale do Tejo (44).

Em número de casos, depois da região Norte, segue-se a de Lisboa e Vale do Tejo (3009), o Centro (2074), o Alentejo (582) e o Algarve (326).

Em relação às mortes, além das 44 na região da capital, há registo de mais 29 no Norte, 25 no Centro, 11 no Alentejo e duas no Algarve.

Nas ilhas não há registo de mortes, mas são mais 67 casos nos Açores e 43 na Madeira.

Dos 111 óbitos registados no boletim da DGS deste sábado, 68 dizem respeito a doentes com mais de 80 anos, 27 ocorreram na faixa etária dos 70 aos 79 anos, 12 na dos 60 aos 69, dois na dos 50 aos 59 anos e outros dois na dos 40 aos 49.

Só 25 concelhos livres de confinamento

São apenas 25 os concelhos que escapam ao recolher obrigatório a partir das 13.00 neste fim de semana (veja a lista). Mas a maior parte do país enfrenta medidas de confinamento (veja quais), sendo que a proibição de circulação entre concelhos está proibida desde as 23.00 de sexta-feira e até ás 5.00 de 11 de janeiro.

O primeiro-ministro, António Costa, está a ouvir os partidos sobre a aplicação de medidas ainda mais restritivas a partir de quarta-feira.

Sete em dez portugueses em quarentena acusaram sofrimento psicológico

Sete em dez portugueses que estiveram em quarentena ou já recuperados da covid-19 acusaram sofrimento psicológico e mais de metade apontou sintomas de depressão moderada a grave, revela um estudo do Instituto Nacional Ricardo Jorge (INSA).

Das pessoas infetadas com o novo coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19, internadas no período em que decorreu o estudo, entre 22 de maio e 14 de agosto, 92% relataram sintomas de ansiedade moderada a grave e 43% sintomas de perturbação de stress pós-traumático.

"Isto é extremamente relevante, mas também seria expectável e vem em linha de conta com o que está a acontecer nos outros países da Europa, que também têm estudado o impacto da pandemia na saúde mental", disse à agência Lusa a coordenadora do estudo Saúde Mental em Tempos de Pandemia e investigadora do INSA, Teresa Caldas de Almeida.

Leia mais aqui

Mais Notícias

Outras Notícias GMG