PETA tornou-se acionista da Prada para acabar com uso de pele de avestruz

Organização leva a luta para outro nível. Agora passa a ter poder de decisão nas escolhas da famosa empresa de moda

O organização de defesa dos direitos dos animais PETA resolveu alterar a sua forma de luta. Conhecida por manifestações ou por ter personalidades a fazer campanha nas suas causas, a PETA tornou-se agora acionista da Prada, passando a ter poder de decisão.

O objetivo é conseguir que a marca italiana deixe de utilizar pele de avestruz em alguns dos seus produtos. "Esta ação irá permitir que o grupo de defesa dos animais possa estar presente nos encontros anuais da Prada", explicou Mimi Bekhechi, diretor da PETA, num comunicado enviado à Fashion Magazine.

A decisão de se tornar acionista aconteceu depois da organização ter conhecimento que a pele de avestruz utilizada em alguns produtos Prada são, alegadamente, retirados de animais com apenas um ano de idade, que serão mortos através de uma descarga elétrica ou então são degolados.

Esta forma de luta começou em setembro quando a PETA se tornou acionista da empresa francesa Hermès.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG