"As redes sociais afetam o sono"

A relação entre as dificuldades em dormir e o uso das redes sociais foi estudada por investigadores norte-americanos. Quem usa muito as redes sociais dorme menos

Um estudo realizado por investigadores da Universidade de Pittsburg encontrou uma relação entre as dificuldades em dormir e o uso das redes sociais. Segundo o estudo, publicado na revista científica Preventive Medicine, os jovens que utilizam as redes sociais regularmente e durante muito tempo dormem menos e têm mais dificuldades em adormecer, do que os que utilizam as redes sociais esporadicamente.

Os investigadores entrevistaram 1778 pessoas entre os 19 e os 32 anos, nos Estados Unidos, e tentaram encontrar um padrão nos seus hábitos de sono. "Este é a primeira prova de que as redes sociais podem afetar o sono", afirmou a autora principal e investigadora do departamento de psiquiatria, Jessica C. Levenson, que explicou que os inquiridos eram jovens e adultos pois "estes são a primeira geração a crescer com as redes sociais".

Os investigadores, segundo o artigo publicado na página da Universidade de Pittsburg, seguiram os inquiridos durante 18 meses e todas as semanas perguntavam durante quanto tempo eles usavam as redes sociais por dia, quantas vezes por semana e como tinham dormido. As redes sociais analisadas foram o Facebook, o YouTube, o Twitter, o Google Plus, o Instagram, o Snapchat, o Reddit, o Tumblr, o Pinterest, o Vine e o LinkedIn.

De forma geral, os inquiridos usavam as redes sociais em média 30 vezes por semana e durante 61 minutos por dia. 60% deles mostraram alguma ou muita dificuldade em dormir.

Dos que usavam as redes sociais mais frequentemente, 121 minutos por dia e 58 vezes por semana, 30% revelou grandes dificuldades em dormir.

"Isto pode provar que a frequência com que usamos as redes sociais pode ser um melhor indicador de problemas de sono do que o tempo que gastamos nas redes sociais", explicou a autora.

Os investigadores alertaram, no entanto, que não é possível saber se as pessoas usavam mais redes sociais porque não conseguiam dormir ou se dormiam mal porque passavam tanto tempo nas redes sociais. "As duas hipóteses podem estar corretas", afirmou a autora do estudo. "Dificuldades em dormir podem levar a um aumento do uso das redes sociais, o que pode, por sua vez, causar dificuldades em dormir".

A relação de causa e efeito ainda não foi totalmente compreendida mas já foi percebido que pode ter efeitos graves para a saúde. Jessica C. Levenson chamou-lhe um "ciclo problemático."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG