Exclusivo "O projeto de videovigilância é de junho e só falta autorizar a instalação"

Reitor da Universidade de Lisboa diz que, se dependesse dele, as câmaras já estariam a funcionar. Foram aprovadas esta terça-feira na assembleia municipal e esperam parecer do MAI e da proteção de dados.

A reitoria da Universidade de Lisboa só espera a autorização do Ministério da Administração Interna e da Comissão Nacional da Proteção de Dados para instalar 14 câmaras de videovigilância nos pontos considerados pela PSP como os mais perigosos da Cidade Universitária. O reitor, Cruz Serra, sublinha que o projeto está concluído desde junho e que, pela universidade, o sistema já estaria instalado. Ontem, foi aprovado por uma maioria de votos na Assembleia Municipal da Lisboa, com os votos contra do BE, PCP e PAN.

"É uma grande surpresa que outros digam ser responsáveis pelo sistema de videovigilância na Cidade Universitária. A reitoria começou a fazer o projeto no início de 2020 e entregámo-lo em junho porque foi preciso falar muitas vezes com a PSP, a quem compete gerir o sistema e visionar as imagens. Há muitos anos que defendemos a existência de câmaras neste polo, se dependesse de mim, já estaria instalado. É o melhor elemento de dissuasão contra o crime, não há dúvida", esclarece o reitor da Inverdade de Lisboa, Cruz Serra.
Serão montadas 14 câmaras - a PSP não achou necessária a instalação de mais - num investimento de 120 mil euros. A expectativa é que estejam a funcionar no próximo ano letivo, depois da aprovação da Comissão Nacional da Proteção de Dados (CNPD).

Mais Notícias

Outras Notícias GMG