Morreu o militar de Abril Diniz de Almeida

Tinha 76 anos e morreu vítima de covid-19.

O militar de Abril Diniz de Almeida, que comandou as tropas no RALIS, em Lisboa, na resposta ao golpe do 11 de março de 1975, morreu este domingo, disse à Lusa o presidente da Associação 25 de Abril.

A notícia sobre a morte de Diniz de Almeida, vítima de covid-19, foi avançada no Facebook por outro militar de Abril, Duran Clemente, e mais tarde confirmada por Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de Abril.

"De Diniz Almeida lembro a enorme participação no dia 25 de Abril [de 1974] e o seu envolvimento intenso, nem sempre muito consensual, em todo o processo revolucionário", disse à Lusa Vasco Lourenço.

Eduardo Diniz de Almeida nasceu em Lisboa em 07 de julho de 1944, integrou o Movimento das Forças Armadas (MFA), que derrubou a ditadura em 1974, e tornou-se um dos rostos militares associados ao PREC - Processo Revolucionário em Curso.

Para a história, ficarão as imagens de uma reportagem da RTP, em 11 de Março, o golpe de direita organizado pelo general António de Spínola, e em que Diniz de Almeida, então com 30 anos, dialoga com as forças de paraquedistas que cercaram o Regimento de Artilharia Ligeira, também conhecido por RALIS, sobrevoado por aviões da Força Aérea, às portas de Lisboa.

Nesse dia, em que morreu um soldado e vários ficaram feridos, é Diniz de Almeida que surge publicamente como o comandante vitorioso e é a seguir a esta tentativa de golpe que surgem as nacionalizações, da banca, dos seguros, e avança a Reforma Agrária, no Alentejo e Ribatejo.

É também este capitão de Abril, alcunhado de "Fittipaldi das Chaimites" que aparece, com as chaimites, em assembleias de trabalhadores e em manifestações.

E é também no RALIS que pela primeira e única vez os soldados fazem um juramento de bandeira revolucionário, de braço estendido e punho cerrado, em que juram pela pátria e prometem estar "sempre, sempre" ao lado do povo e da classe operária, "pela democracia e poder para o povo, pela vitória da revolução socialista".

Num país a viver uma revolução vermelha, e que desperta o interesse de intelectuais europeus, é também no RALIS que são recebidos o filosofo Jean Paul Sartre e Serge July, diretor do Liberation.

Associado à esquerda militar durante o processo revolucionário, foi um dos militares que, segundo o comandante do COPCON, Otelo Saraiva de Carvalho, ainda tenta contrariar (sem sucesso) as forças de comandos no 25 de Novembro de 1975, golpe ou contra-golpe, conforme os lados da contenda, que ditou o fim da revolução e o princípio da consolidação da democracia.

Diniz de Almeida foi chamado ao Palácio de Belém pelo Presidente da República, Costa Gomes, e ali detido, no dia 26 de novembro.

Enfrentou vários processos disciplinares, de que saiu ilibado, e passou à reserva com a patente de major.

Depois da vida militar, licenciou-se em psicologia clínica.

Desde então, manteve alguma atividade política, como independente, na Coligação Democrática Unitária (CDU), liderada pelo PCP, tendo sido vereador na câmara de Cascais entre 2001 e 2005.

É também autor do livro "As origens e evolução do Movimento dos Capitães" e da trilogia "Ascensão, apogeu e queda do MFA".

Em comunicado, a Associação 25 de Abril destaca o militar, agora coronel na reforma, como "um dos principais obreiros do levantamento militar que deu origem ao 25 de Abril de 1974".

"Era um homem de grande caráter, corajoso e leal aos seus princípios e aos seus amigos. A sua trajetória honra as Forças Armadas, e muitos portugueses se identificaram com ele na luta contra as forças antidemocráticas do nosso país", lê-se no texto, que também refere que "os seus ideais permanecem vivos e atuais" e dão "força para continuar a defender Abril".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG