Internamentos recorde em dia de mais 3384 novos casos de covid-19

Sobe para 427 254 o número casos em Portugal. Mais de sete mil pessoas perderam a vida para o novo coronavírus desde março de 2020 - 73 nas últimas 24 horas. Internamentos continuam a subir.

No dia em que foram confirmados 16 casos da variante britânica da covid-19 em Portugal Continental, registaram-se mais 3384 novas infeções e mais 73 óbitos, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado este domingo (3 de janeiro de 2021).

Nos hospitais portugueses há agora 3044 pessoas internadas - um novo máximo, nesta fase da pandemia -, sendo que 500 (mais 8 do que na véspera) estão em cuidados intensivos. Nas últimas 24 horas mais 186 infetados necessitaram de ser internados. Portugal aproxima-se assim do limite de camas em UCI para doentes críticos ligados à pandemia - 569 no SNS, segundo a ministra da Sáude.

Nas últimas 24 horas o país registou uma ligeira subida de novos casos relativamente ao dia anterior (3241), mas mantém-se abaixo das 3500 infeções diárias. O número de óbitos foi o mesmo do registado no sábado (73). Foram ainda dados como recuperados 2385 doentes.

Lisboa e Vale do Tejo reportou o maior número de novos casos (1232), mas por uma margem pouco significativa. A região da capital teve mais 14 infeções do que o Norte, que registou 1218 casos. O Centro reportou 605 casos, o Alentejo 155 e Algarve 133 infeções. Na Madeira, existe agora mais 25 casos e nos Açores, 16, segundo dados da DGS.

No total, desde o início da pandemia, Portugal confirmou 427 254 casos positivos e 7118 mortes.

Vacinas não deverão ter efeito antes do outono

A Sociedade Portuguesa de Gestão de Saúde alertou no sábado que, apesar de a campanha de vacinação contra a covid-19, para a população geral, ter início este mês, os efeitos não serão sentidos antes do outono, "na melhor das hipóteses".

A entidade está preocupada com algumas reações negativas da população, nomeadamente quando é indicada uma data para a sua vacinação com base no simulador do SNS/DGS ."Uma pessoa de 85 anos que não tenha aparentemente nenhuma doença grave só deverá ser vacinada em abril ou maio deste ano se as regras atuais forem mantidas. Se a pessoa tiver 55 anos ainda nem sequer tem data provável, sendo que a sua vacinação poderá acontecer por cálculo simples lá para junho/julho ou até mais tarde", refere.

Sublinhando que a chegada a Portugal do primeiro lote de vacinas antes do fim de 2020 "foi apenas um ato simbólico que visou mostrar uma luz de esperança aos europeus e ao mundo", a Sociedade de Gestão de Saúde garante que a ideia de que o fim da pandemia está "já ao virar da esquina", não é verdade.

Recolher obrigatório em vigor até às 05.00. Madeira agrava restrições

Portugal está sob recolher obrigatório às 13.00 e proibição de circular entre concelhos até às 05.00 de dia 4 de janeiro, "salvo por motivos de saúde, de urgência imperiosa ou outros especificamente previstos".

Os restaurantes terão de encerrar até às 13.00 nos dias 1, 2 e 3 de janeiro, "exceto para entregas ao domicílio". Já os estabelecimentos de comércio a retalho e de prestação de serviços, inclusive supermercados, poderão estar abertos apenas entre as 08.00 e as 13.00 nos dias 1 a 3 de janeiro, ou seja, de sexta-feira a domingo.

Segundo a lista atualizada de níveis de risco, que vigorará até 7 de janeiro no âmbito do novo estado de emergência, existem 30 concelhos em risco extremo de contágio, 79 em risco muito elevado, 92 em risco elevado e 77 em risco moderado.

Já o Governo da Madeira aprovou este domingo novas medidas para conter os contágios com o vírus SARS-CoV-2 que incluem a proibição de circulação entre as 23.00 e as 05.00, a abertura progressiva das escolas e reforço de fiscalização. Os bares passam a encerrar às 22.20, a abertura das escolas será progressiva e haverá reforço da fiscalização.

1, 1 milhões de novos infetados desde o Ano Novo

Mais de 84,5 milhões de casos de infeção pela covid-19 foram diagnosticados desde o início da pandemia, e morreram 1 835 788 pessoas. Os dados da universidade norte-americana Johns Hopkins pressupõem que houve um aumento de mais de 1,1 milhões de contágios desde o começo do ano novo.

A mais recente contagem indica que já houve um total de 84.588.500 casos de infeção pelo novo coronavírus, desde que foi declarada a pandemia. Na sexta-feira, este valor situava-se nos 83 474 757 casos.

Os Estados Unidos continuam a ser o país mais atingido pela pandemia, tanto em número de casos (20 427 780) como em mortes (350 186), seguindo-se a Índia, com 10 323 965 e 149 435 óbitos, e o Brasil, com 7 716 405 e 195 725 óbitos.

Na Europa, entre os países mais atingidos por contágios figuram a Rússia (3 179 898), a França (2 700 480) e o Reino Unido (2 607 542).

Mais Notícias

Outras Notícias GMG