"Mais turismo não irá causar problemas, só beneficia o Porto"

Nuno Botelho, da Associação de Turismo, diz que empenho na candidatura da cidade a Melhor Destino Europeu em 2017 é corolário para o crescimento da última década

O crescimento do número de turistas no Porto "não é um problema, é uma oportunidade", diz Nuno Botelho, vice-presidente da Associação de Turismo do Porto e Norte de Portugal (ATP), para quem a candidatura da cidade a Melhor Destino Europeu de 2017, com forte empenho das instituições e gentes locais, é sobretudo uma forma para atingir uma distinção que alimenta o orgulho próprio e estimula a curiosidade dos turistas. Neste ano, a ATP teve um orçamento próprio para promover a votação.
"Ser considerado o melhor destino europeu pela terceira vez tem muita importância. Puxa pela autoestima dos portuenses, que sentem a afirmação da cidade. O Porto ganha muito, pois a distinção vai funcionar como promoção turística, como publicidade. Vai ser referido pelos agentes turísticos", disse ao DN o também presidente da Associação Comercial do Porto. A Invicta foi distinguido com este prémio em 2012 e 2014.
O Melhor Destino Europeu é atribuído através de votações online no site da European Best Destination, uma organização dedicada à promoção turística europeia sediada em Bruxelas que faz uma pré-seleção das cidades a concurso. A votação decorre até ao meio-dia de 10 de fevereiro e podem ser realizadas em www.voteporto.com, num processo que dispensa registo. Além do Porto, há mais 19 candidatos, em que se incluem desde gigantes do turismo, como Paris, Londres ou Madrid, a cidades de menor dimensão, como San Sebastian, Gdansk ou Basileia.
"A cidade mexe com a distinção. Os agentes económicos vão sentir mais confiança e vão sentir mais reflexo do investimento. O número de eventos aumenta. Hoje temos uma cidade diferente", diz. "Tem sido uma tendência nacional, mas o Porto tem crescido de forma muito sustentada todos os anos. O Aeroporto Francisco Sá Carneiro atingiu no ano passado nove milhões de passageiro e para este ano há a previsão de crescimento de 20 %. É notável", considera Nuno Botelho. "Os espanhóis e os franceses são os principais grupos de visitantes estrangeiros, mas as novas rotas aéreas foram importantes para a atração de turistas." "As low-cost vieram diversificar as origens, mas mesmo as companhias de bandeira têm muitos voos. É um sinal de que este destino tem interesse", assinala o responsável da ATP, associação criada em 1995 que é presidida por Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, e agrupa outros municípios e entidades da região.
Já o organismo público, a Entidade Regional do Turismo do Porto e Norte de Portugal, revelou neste ano que os dados relativos a 2016 indicam que este foi o melhor ano de sempre para o turismo na região. "O ano de 2016 vai fechar com um crescimento de dormidas de 10,7%, alcançando os 6,8 milhões de dormidas, já muito próximo dos valores que estavam previstos para 2020 na estratégia 2020", revelou há semanas o organismo. O turismo leva a massificações e a novas situações que Nuno Botelho recusa ver como obstáculos. "O crescimento do turismo não é um obstáculo, é uma oportunidade." E explica a sua visão e da ATP: "Nem é uma discussão. O Porto vive hoje muito melhor do que há dez anos. A reabilitação urbana cresce, há novos negócios, a cidade está mais limpa. Estamos todos a beneficiar dos turistas e a cidade tem de aprender a viver com esta realidade que representa crescimento a vários níveis."
Depois de em 2104 a Câmara do Porto ter assumido a candidatura e a campanha de incentivo ao voto, neste ano a ATP tomou essa responsabilidade e o marketing foi mais alargado, com campanhas na comunicação social. Nuno Botelho diz que houve um orçamento para esta campanha, sem revelar o valor. "É algo de muito baixo, irrisório. Incidiu sobretudo nas redes sociais", disse. A campanha tem contado com parceiros institucionais, como são os casos do Futebol Clube do Porto, da Fundação de Serralves, da Casa da Música, do Teatro Nacional São João ou da Metro do Porto. Além disso, um grupo alargado de personalidades da cidade aceitaram ser embaixadores em ações promocionais, como Pedro Abrunhosa, Miguel Araújo, Katty Xiomara, Rúben Neves, Sara Moreira e Júlio Magalhães.


Uma nova taxa turística
O presidente da câmara admitiu ontem lançar no próximo mandato uma taxa turística à semelhança do que já acontece em Lisboa (recebeu mais de 11 milhões de euros no ano passado) e em Cascais (começou a cobrar este mês). Rui Moreira não adiantou um valor para a taxa - "ainda não está definido", assegurou -, mas frisou que "há maturidade suficiente" na cidade para a criar. O autarca considera que o Porto "não está em nenhuma fase de excesso" e "é falso" que o turismo esteja a expulsar a população da cidade.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG