Certificados de vacinação já integram doses de reforço e validade passa a 9 meses

A DGS refere que é possível aceder ao certificado de vacinação com indicação da dose de reforço 14 dias após a data da inoculação.

A dose de reforço já foi integrada nos certificados de vacinação, que passam a ter nove meses de validade, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com a informação atualizada pela DGS, a partir de 1 de fevereiro, passará a haver, na União Europeia, um prazo de validade com indicação do esquema vacinal primário: 1/1 (para vacinas de dose única ou para quem recuperou da infeção) e 2/2 (para vacinas de duas doses).

"Os certificados de vacinação que atestem a conclusão do esquema vacinal primário serão aceites até 270 dias (nove meses) após a data de administração da dose que completou o esquema vacinal primário", indica a informação atualizada pela autoridade de saúde, acrescentando que "os certificados de vacinação que atestem a administração de doses de reforço não estarão sujeitos a um período de aceitação".

Uma vez que as regras relativas à utilização do certificado de vacinação variam entre países, a DGS recomenda ao viajante, antes de viajar, a verificação das regras de entrada em vigor no país de destino através do portal Re-open EU e dos sítios web das respetivas autoridades do país.

Em Portugal, só são admitidos os certificados de vacinação que atestem o esquema vacinal completo do respetivo titular, há pelo menos 14 dias, com as vacinas da Janssen, Pfizer-BioNTech (Comirnaty), Moderna (Spikevax) ou AstraZeneca (Vaxzevria).

A informação da DGS explica ainda que a dose de reforço administrada após esquema vacinal primário de duas doses é apresentada no certificado como esquema 3/3, após esquema vacinal primário de uma dose é apresentada como esquema 2/1 e nos recuperados da infeção aparece como esquema 3/1.

Acrescenta que é possível aceder ao certificado de vacinação com indicação da dose de reforço 14 dias após a data da administração e que durante este período pode ser usado o certificado de vacinação anterior.

Portugal já emitiu mais de 13,7 milhões de certificados

Mais de 13,7 milhões de certificados digitais já foram emitidos em Portugal, a grande maioria a atestar a vacinação contra a covid-19, avançaram esta quarta-feira os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS).

"Em Portugal foram já emitidos cerca de 13 750 000 certificados, dos quais cerca de 450 000 são certificados de recuperação [da infeção], 1 200 000 são certificados de testagem com resultado negativo e aproximadamente 12 100 000 correspondem a certificados de vacinação", adiantaram os SPMS à Lusa.

A mesma fonte referiu ainda que foram também disponibilizados cerca de 600 000 certificados digitais incluindo já a dose de reforço da imunização contra o vírus SARS-CoV-2.

Segundo o Ministério da Saúde, a informação sobre a dose de reforço só está disponível no certificado 14 dias após a sua administração, razão pela qual só após este período deverá ser solicitado o documento atualizado através da aplicação móvel SNS 24 ou do portal do SNS 24.

Estes certificados começaram a ser emitidos em Portugal em 16 de junho de 2021 e entraram em vigor em toda a União Europeia em 1 de julho, com o objetivo de facilitar a livre circulação dos cidadãos nos Estados-membros de forma segura durante a pandemia.

O documento é obrigatório para entrar em restaurantes, estabelecimentos turísticos e alojamento local, espetáculos culturais, eventos com lugares marcados e ginásios.

A covid-19 provocou 5 494 101 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência AFP.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.161 pessoas e foram contabilizados 1.693.398 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, em novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

Notícia atualizada às 09:38

Mais Notícias

Outras Notícias GMG