Número mais alto de internados desde março. Mais 3641 casos e cinco mortes

Registados mais 2268 casos de recuperados da doença e um aumento de 40 doentes hospitalizados. Estão agora 774 pessoas com covid-19 internadas, das quais 173 em unidades de cuidados intensivos, segundo boletim epidemiológico da DGS.

Foram confirmados 3641 novos casos de covid-19 em Portugal nas últimas 24 horas, indica a Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico desta quinta-feira (15 de julho) refere que morreram mais cinco pessoas devido à infeção por SARS-CoV-2.

Em dia de nova reunião do Conselho de Ministros, em que é avaliada a situação pandémica no país, os dados indicam que, no que se refere à pressão nos hospitais portugueses, há um novo aumento nos internamentos.

Relatório indica que há agora mais 40 pessoas hospitalizadas, sendo agora 774 doentes, no total. Nas unidades em cuidados intensivos, foi registado também um aumento com mais três pessoas internadas, são agora 174.

Este é o número mais alto de internados desde 19 de março passado, dia em que estavam 789 doentes com covid-19 em unidades hospitalares. No entanto, de quarta-feira para hoje foram registados ​​​mais 2268 casos de pessoas que recuperaram da doença.

No que diz respeito aos novos casos, Lisboa e Vale do Tejo soma 41,4% do total nacional, com mais 1509 infetados. Na região da capital ocorreram quatro dos cinco óbitos reportados em 24 horas. O Norte volta a registar mais de mil novos casos, com 1309 diagnósticos.

O Algarve mantém-se como a terceira região onde se concentra o maior número de novas infeções, com mais 364 casos. Nesta zona do país foi também registado uma morte associada à covid-19, indicam os dados da DGS.

Confirmaram-se mais 296 casos no Centro, 97 no Alentejo, 40 nos Açores e 26 na Madeira,

Com esta nova atualização, Portugal soma agora 920 200 casos de covid-19 e 17 187 óbitos desde o início da pandemia.

O número total de pessoas que recuperaram da doença corresponde agora a 854 537 e o número atual de casos ativos é de 48 476 (mais 1368 face ao dia anterior).

Relatório da DGS indica ainda que ​​​​há mais 999 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.​​​

As vacinas são uma das principais 'armas' no combate à pandemia, tendo sido aumentado o ritmo de vacinação em Portugal. Esta quinta-feira, no entanto, a task force anunciou a suspensão da modalidade de 'casa aberta', devido à redução da disponibilidade de vacinas. Tinha sido anunciado ontem que esta modalidade, de vacinação sem agendamento, já estava disponível aos que tinham 40 ou mais anos.

Agora a decisão pela suspensão da "casa aberta" surge depois de ter sido interrompida temporariamente a administração de doses de um lote da marca Janssen no Centro de Vacinação de Mafra, após relatos de reações adversas.

"Tendo em conta a suspensão de um lote de vacinas da marca Janssen, conforme divulgado por nota à imprensa do Infarmed de 14 de julho, e a consequente redução na disponibilidade de vacinas, foi decidido suspender, de imediato, modalidade "casa aberta", refere uma nota da Task Force da vacinação enviada às redações.

A Task Force do plano de vacinação salienta que a modalidade "casa aberta" será retomada "logo que possível".

De recordar que na quarta-feira, o Infarmed anunciou a suspensão de um lote de vacinas da Janssen depois de utentes terem desmaiado após a toma da vacina no Centro de Vacinação Covid-19 de Mafra.

A Autoridade Nacional do Medicamento informou, em comunicado, "que não foram reportadas, até à presente data, suspeitas de defeito de qualidade deste lote noutros centros de vacinação em que o mesmo está a ser utilizado".

A partir do fim de semana, França pede teste com menos de 24 horas a quem regressa de Portugal

Ainda no que se refere à vacinação e aos que já estão imunizados, França anunciou que todas as pessoas não vacinadas contra a covid-19 chegadas de Portugal ou Espanha que queiram entrar no país terão de apresentar um teste com menos de 24 horas, em vez das 48 horas atuais.

"As pessoas podem ir a Espanha e a Portugal, especialmente quando estão vacinadas. Quando não estão vacinadas, quando vêm desses dois países onde a situação é difícil, é preciso apresentar um teste com menos de 24 horas", afirmou o secretário de Estado de Assuntos Europeus, Clément Beaune, na rádio "Franceinfo".

A medida vai entrar em vigor já a partir deste fim de semana.

Testes comparticipados em mais de 300 farmácias e laboratórios

Também esta quinta-feira, o Ministério da Saúde anunciou que os testes rápidos de antigénio (TRAg) à covid-19, no âmbito do regime que prevê a sua comparticipação a 100%, estão disponíveis em 218 farmácias e 87 laboratórios de Portugal continental.

"Os TRAg de uso profissional comparticipados podem ser realizados em 218 farmácias e 87 laboratórios aderentes, uma lista dinâmica que se encontra em expansão à medida que mais estabelecimentos mostram disponibilidade para esta prestação, para a qual é requisito a inscrição na Entidade Reguladora da Saúde", adiantou a mesma fonte.

Segundo o ministério de Marta Temido, o pagamento destes testes às farmácias e laboratórios processa-se com base nas regras definidas para a comparticipação de medicamentos ou meios complementares de diagnóstico e terapêutica, com as necessárias adaptações.

Ainda no que se refere a dados atualizados da pandemia, a infeção pelo novo coronavírus já fez pelo menos 4 061 908 mortos em todo o mundo desde que foi notificado o primeiro caso na China, segundo o balanço diário da agência de notícias AFP.

Mais de 188 347 300 pessoas foram infetadas em todo o mundo, segundo o balanço desta quinta-feira. Os EUA continuam a ser o país mais afetado, tanto em número de mortes como de infeções, com um total de 608 115 mortes e 33 947 230 casos, segundo os dados da universidade Johns Hopkins.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG