Incidência e internamentos a subir. R(t) está acima de 1

A DGS indica que existem agora 312 internados (mais 17 face a domingo), dos quais 62 (mais um doente) estão em unidades de cuidados intensivos. Há a registar mais 291 casos de covid-19 e três mortes.

Foram confirmados 291 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas em Portugal, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Relatório desta segunda-feira (18 de outubro) indica também que morreram mais três pessoas devido à infeção pelo novo coronavírus. Todos os óbitos ocorreram na região Norte.

No que diz respeito à situação nos hospitais portugueses, há agora 312 internados (mais 17 face ao que foi reportado no domingo), dos quais 62 estão em unidades de cuidados intensivos (mais um).

Em dia de atualização dos valores da matriz de risco, a incidência a 14 dias aumenta ligeiramente e passa de 84,2 para 84,3 casos de covid-19 por 100 mil habitantes em todo o território nacional. No continente, passou de 84,4 para 84,7 infeções por 100 mil habitantes.

Também o índice de transmissibilidade sobe e passa a estar acima de 1. O valor do R(t) é agora de 1,01 a nível nacional e de 1,02 no continente, refere o relatório da DGS.

Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região com maior número de novos casos, com 102, seguida do Norte (93).

Verificaram-se mais 31 casos no Centro, 22 no Alentejo e 16 no Algarve. Foram confirmados mais 22 casos nos Açores e cinco na Madeira.

Boletim da DGS indica que há mais 392 pessoas que recuperaram da doença, elevando para 1 031 792 o número total de recuperados. Desta forma, o número de casos ativos de covid-19 em Portugal recua para os 30 205 (menos 104 em comparação com o dia anterior).

No total, desde o início da pandemia, em março de 2020, foram registados 1 080 097 casos de infeção por SARS-CoV-2 e 18 100 óbitos.

DGS indica ainda que há menos 222 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde, num total de 21 174.

Já começou a vacinação simultânea contra gripe e a covid-19

Dados sobre a evolução da pandemia em Portugal no dia em que arrancou a vacinação simultânea contra gripe e a covid-19, com a DGS a prever vacinar cerca de dois milhões de pessoas nessa modalidade.

A diretora-geral da Saúde Graça Freitas garantiu, na sexta-feira, que está "tudo preparado" para a coadministração das duas vacinas a pessoas com 65 ou mais anos a partir de hoje, uma prática realizada em Portugal e no mundo, no âmbito dos programas nacionais de vacinação, que visa otimizar os esquemas vacinais recomendados.

A DGS avançou que os dados disponíveis analisados pela Comissão Técnica de Vacinação contra a covid-19, que incluem os resultados da reunião do grupo de peritos da Organização Mundial da Saúde em matéria de vacinação, mostram que existe um perfil de segurança aceitável após a toma das duas vacinas.

Ministra garante que eficácia e segurança das vacinas é igual em administração simultânea

Já esta segunda-feira, a ministra da Saúde garantiu que não está previsto qualquer aumento de reações às vacinas com a administração simultânea das da gripe sazonal e covid-19 e disse que o ritmo vai intensificar-se em novembro.

"Não é essa a expectativa, mas de qualquer forma qualquer vacina pode causar alguma reação e as pessoas devem estar atentas e contactar [os serviços de saúde] se isso acontecer", afirmou a governante,

Marta Temido sublinhou ainda que a eficácia e a segurança das vacinas "permanece idêntica, seja em coadministração seja em administração separada".

"A possibilidade de fazer a coadministração covid-19 e gripe sazonal facilita bastante. De qualquer forma, o ritmo vai ser mais intenso em novembro, porque a administração vacinas gripe e covid-19 exige que se combine muito bem os prazos de entrega das encomendas feitas pelo pais", afirmou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG