Maioria quer ministra da Justiça demitida por causa de procurador europeu

Mais de três quintos de inquiridos defendem que o governo deve recuar na nomeação de José Guerra, ainda que 45% considerem que o caso foi "empolado por razões de luta política".

A maioria dos cidadãos que conhecem o caso do procurador europeu - polémica que nasceu com a nomeação de José Guerra para um cargo em que um júri internacional preferia ver Ana Carla Almeida e que se agravou com o conhecimento público de erros que tinham empolado o currículo do primeiro candidato - defendem que o governo deveria recuar na nomeação daquele magistrado e que Francisca Van Dunem não tem condições para se manter no cargo de ministra da Justiça. No entanto, só 45% dos inquiridos consideram que o caso do procurador europeu é "verdadeiramente importante".

Os dados que resultam da sondagem da Aximage para DN, JN e TSF, sobre o caso do procurador europeu, evidenciam um juízo negativo sobre a forma como o governo de António Costa conduziu o processo de nomeação do representante português para a Procuradoria Europeia.

Dos 1183 eleitores entrevistados, 69% afirmaram ter conhecimento do caso e, entre estes, 64% defenderam que o governo deveria recuar na nomeação de José Guerra, o procurador da República que foi apresentado ao Conselho da União Europeia como procurador-geral adjunto (categoria superior àquela) e como tendo sido titular da investigação do grande processo das fraudes da UGT com subsídios, quando na realidade apenas ali tinha representado o Ministério Público na fase de julgamento.

A ministra da Justiça tem insistido que o governo se limitou a indicar o procurador mais bem classificado pelo Conselho Superior do Ministério Público e que os erros no seu currículo não foram intencionais nem determinantes para a nomeação de José Guerra, em detrimento da procuradora Ana Carra Almeida, que tinha sido classificada em primeiro lugar por um júri internacional.

No entanto, só 22% defendem que o governo deve manter a nomeação de Guerra (14% não sabem ou não responderam à pergunta).

Na análise das respostas em função das preferências partidárias dos inquiridos, verifica-se que até entre os socialistas a maioria defende o recuo do governo (50% contra 38%, sendo certo que 12% não sabem ou não respondem).

Mas apesar de a maioria, da esquerda à direita, defender a substituição de José Guerra, só 45% dos inquiridos com conhecimento do caso consideram que este é "verdadeiramente importante". Exatamente a mesma percentagem dos que consideram que o caso "foi empolado por razões de luta política".

A maior contradição, neste capítulo, radica nos simpatizantes do Chega: 74% defendem que o governo deve recuar, mas só 53% consideram o caso "verdadeiramente importante".

À pergunta sobre se a Francisca Van Dunem tem condições para continuar a ser ministra da Justiça, 54% responderam que não e 36% o contrário.

São os potenciais votantes no PS, na CDU e no PAN que assumem posições maioritariamente a favor da permanência da ministra em funções.

nelson.morais@jn.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG