Maioria das regiões de Portugal com tendência crescente de novos casos

R(t) subiu no Norte de 0,97 para 1,00, no Centro de 1,05 para 1,11, em Lisboa e Vale do Tejo de 1,02 para 1,03 e no Algarve de 0,85 para 0,95.

A maioria das regiões de Portugal continental regista uma "tendência crescente" de infeções pelo coronavírus SARS-CoV-2, em consequência do aumento médio do índice de transmissibilidade (Rt), indica o relatório das "linhas vermelhas" divulgado esta sexta-feira.

"Observou-se um valor de Rt superior a 1 na maioria das regiões, com exceção do Alentejo e Algarve, indicando uma tendência crescente da incidência de infeção por SARS-CoV-2", avança a análise de risco da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA).

Segundo os dados desta sexta-feira, em comparação com os valores apresentados no último relatório, o valor médio do Rt - que estima o número de casos secundários de infeção resultantes de uma pessoa portadora do vírus - aumentou em quatro das cinco regiões continentais.

Este indicador subiu no Norte de 0,97 para 1,00, no Centro de 1,05 para 1,11, em Lisboa e Vale do Tejo de 1,02 para 1,03 e no Algarve de 0,85 para 0,95.

Com uma evolução contrária, está o Alentejo que apresentou uma redução do Rt de 1,06 para 0,80 no espaço de uma semana.

"Estes resultados sugerem uma tendência crescente das infeções por SARS-CoV-2 em todas as regiões, à exceção do Alentejo e Algarve", destacam as "linhas vermelhas" da pandemia de covid-10, ao avançar que nenhuma região apresentou, porém, uma incidência de novos casos superior ao limiar de 240 casos em 14 dias por 100 mil habitantes.

Por grupos etários, a incidência cumulativa mais elevada correspondeu às pessoas entre os 20 e os 29 anos, com 151 casos por 100 mil habitantes e com tendência crescente, enquanto a faixa dos idosos com 65 ou mais anos está agora nos 68 casos e em situação estável.

A análise semanal dos diferentes indicadores revela uma atividade epidémica de "intensidade reduzida e transmissibilidade moderada", que se reflete numa tendência estável da pressão sobre os serviços de saúde e no impacto na mortalidade associada à covid-19.

Os dados do INSA e da DGS indicam que número de pessoas com covid-19 internadas em Unidades de Cuidados Intensivos corresponde a 23% do valor crítico definido de 255 camas ocupadas, sensivelmente idêntico à semana anterior.

Na quarta-feira, estavam em cuidados intensivos nos hospitais de Portugal continental 58 doentes.

Já no que diz respeito à mortalidade por covid-19, verificaram-se 9,4 óbitos em 14 dias por um milhão de habitantes, que corresponde a um aumento de 2% relativamente à semana anterior.

"Este valor é inferior ao limiar de 20 óbitos em 14 dias por um milhão de habitantes, definido pelo Centro Europeu de Controlo de Doenças", refere o documento das autoridades de saúde, que consideram reduzido o impacto da pandemia na mortalidade em Portugal.

Relativamente às variantes, o relatório confirma que foram detetados nove casos de uma sublinhagem da Delta, denominada AY.4.2, que tem "suscitado particular interesse na comunidade científica internacional devido ao seu aumento de frequência no Reino Unido nas últimas semanas".

Estes nove casos foram registados entre 24 de agosto e 4 de outubro e representam várias introduções independentes desta sublinhagem da Delta, variante que continua a ser a prevalente em Portugal, com uma frequência relativa de 100% há várias semanas.

A nível nacional, a proporção de testes positivos para SARS-CoV-2 foi de 1,6% - na semana anterior tinha sido de 1,4% -, encontrando-se abaixo do limiar definido de 4%.

A covid-19 provocou pelo menos 4.926.579 mortes em todo o mundo, entre mais de 242,39 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.125 pessoas e foram contabilizados 1.083.651 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG