Johnson & Johnson anuncia vacina única e 85% eficaz na forma muito grave da doença

Este novo fármaco tem a vantagem de ser tomado apenas uma vez e apresenta proteção completa após o 28.º dia de vacinação em casos muito graves. Empresa vai pedir autorização para o uso de emergência da vacina nos EUA.

A empresa farmacêutica americana Johnson & Johnson anunciou que foram atingidos os objetivos relativos à fase três da sua vacina contra a covid-19, que tem como principal novidade o facto de ser ministrada numa única injeção.

A vacina candidata a aprovação das autoridades do medicamento, revelou-se 72% eficaz nos testes realizados nos Estados Unidos, sendo 66% eficaz na América Latina e 57% na África do Sul, na prevenção de casos de covid-19 moderados a graves, após 28 dias da vacinação. A eficácia contra a forma grave da doença aumentou à medida que decorrem os dias de vacinação, não tendo os testes revelado casos positivos de covid-19 em participantes após o 49.º dia de vacinação.

Mais animador é o facto de ser 85% eficaz na prevenção da forma da doença muito grave, tendo ainda sido demonstrada uma proteção completa a partir do 28.º dia de vacinação, a partir do qual não se registaram casos de internamento ou morte relacionadas com a covid-19. Isto em todos os adultos com idade igual ou superior a 18 anos, independentemente das regiões ou das mutações do vírus, incluindo a variação sul-africana da SARS-Cov-2.

Os testes realizados na fase 3 cumpriram, de acordo com a Johnson & Johnson, todos os pressupostos previstos de segurança e eficácia da vacina, comprovados numa experiência que teve 43 783 participantes, dos quais 468 com casos sintomáticos de covid-19. Os participantes destes testes foram de diferentes geografias, incluindo doentes infetados com novas variantes da covid-19.

"O nosso objetivo desde o início tem sido criar uma solução simples, eficaz para o maior número de pessoas possíveis e ter o máximo impacto para ajudar a acabar com a pandemia", disse Alex Gorsky, presidente e CEO da Johnson & Johnson.

A empresa anunciou que no prazo de uma semana irá pedir ao regulador farmacêutico norte-americano autorização para o uso de emergência da vacina nos Estados Unidos, seguindo-se o pedido aos reguladores do resto do mundo. A expectativa da Johnson & Johnson é ter pelo menos 100 milhões de vacinas disponíveis nos Estados Unidos até junho, começando a distribuí-las assim que tiver autorização do regulador.

Refira-se que a vacina da Johnson & Johnson usa um vírus da constipação como uma espécie de "cavalo de Tróia", que introduz a proteína no corpo e consegue que as células a copiem, de forma inofensiva, para familiarizar o sistema imunitário com o vírus e assim permitir combatê-lo se houver infeção. Trata-se de um mecanismo é semelhante ao utilizado pela vacina da AstraZeneca, que também usa um vírus da constipação mas precisa de duas doses para ser eficaz.

"A vacina única é considerada pela Organização Mundial da Saúde a melhor opção em cenários de pandemia, melhorando o acesso e distribuição. A eficácia de 85% na prevenção da doença covid-19 grave e prevenção de intervenções médicas protegerá potencialmente centenas de milhões de pessoas das formas graves e fatais da doença. Além disso, oferece a esperança de ajudar a facilitar a enorme carga colocada sobre os sistemas de saúde e as comunidades", afirmou Paul Stoffels, vice-presidente do comité executivo e diretor científico da farmacêutica americana.

A Johnson & Johnson garantiu que a vacina é segura, podendo ter reações a como febre, semelhantes a outros fármacos, mas não indicou que tenham ocorrido reações alérgicas graves durante os testes.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG