Investigadora diz que passagens racistas em "Os Maias" justificam nota pedagógica

Vanusa Vera-Cruz Lima considera que a obra deve incluir "um comentário pedagógico", para que a questão racional não seja ignorada. A Associação de Professores de Português (APF) considera que uma leitura implica a análise dos preconceitos raciais do discurso narrativo e contexto histórico

Uma investigadora cabo-verdiana identificou várias passagens racistas em "Os Maias", de Eça de Queirós, que, na sua opinião, não retiram valor à obra literária, mas justificam a inclusão de "um comentário pedagógico", para que a questão racial não seja ignorada.

"A inferioridade dos africanos e o desdenho pelo negro ou qualquer aspeto relacionado à raça negra é presente na linguagem do narrador e reforçada através de ações e pensamentos de personagens e da idealização da branquitude em crianças, homens e principalmente mulheres", disse Vanusa Vera-Cruz Lima, em entrevista à agência Lusa.

Professora de Português na Universidade de Massachusetts Dartmouth, nos Estados Unidos, onde está a tirar o doutoramento em Estudos e Teoria Luso-Afro-Brasileiros, Vanusa Vera-Cruz Lima faz questão de sublinhar que "as passagens raciais não retiram nem adicionam o valor que esta obra representa na literatura portuguesa", mas criam "oportunidades de ensino e instrução culturalmente responsáveis".

"Penso que é importante separarmos o romance, que é uma das maiores obras de arte da cultura portuguesa, das passagens racistas nela encontradas", disse, acrescentando que o que está em causa na sua análise é a obra e não o autor, Eça de Queirós, pois "para tal seria preciso um estudo muito mais aprofundado, investigação profunda sobra a vida dele e seus escritos profissionais e pessoais".

Segundo a investigação de Vanusa Vera-Cruz Lima - que para esta análise recorreu à teoria crítica da raça, uma área de pensamento teórico contemporâneo que "revela como o racismo molda a realidade quotidiana do mundo" - a linguagem do narrador "reproduz a superioridade da raça branca sobre a raça negra, evidenciada através do discurso, frases, escolha de palavras, pensamentos das personagens de que a raça branca merecia ter o poder absoluto sobre a raça negra".

"Ao celebrar extravagantemente a branquitude, o romance envia uma mensagem de que a negritude não é algo de que se orgulhar e, portanto, como o preto e o branco estão sempre em oposição, a glorificação de um, rebaixa o outro", referiu.

Uma das passagens que a investigadora usou para exemplificar a sua afirmação consta do capítulo XVI da obra, escrita em 1880: "Ela [Maria Eduarda], por seu lado, loira, alta, esplêndida, vestida pela Laferrière, flor de uma civilização superior, faz relevo nesta multidão de mulheres miudinhas e morenas".

Para a doutoranda, "todas as personagens do romance são um produto do ambiente em que o branco é considerado superior em relação ao negro", embora estas possam "ser divididas em camadas com diferentes intensidade, consciência e intenção".

"João da Ega é o personagem em que o racismo mais se evidencia. De acordo com Ega, da mesma forma que Portugal aspira ser civilizado, os negros tentam agir como brancos fantasiando e vestindo a jaqueta do seu mestre", ilustra.

Vanusa Vera-Cruz Lima cita uma outra passagem do capítulo IV em que a personagem João da Ega afirma: "Nós julgamo-nos civilizados, como os negros de São Tomé se supõem cavalheiros, se supõem mesmo brancos, por usarem com a tanga uma casaca velha do patrão".

A doutoranda considera que a obra "Os Maias" é um material para explorar valores e comportamentos relacionados com a raça que existiam na época, "mas que continuam a manifestar-se em vários aspetos da sociedade atual", disse, esperando que o seu estudo abra "conversas corajosas sobre raça dentro do romance", o que "não levaria à desvalorização da obra tão importante".

"Mais do que explicar o contexto, é preciso discutir a obra, usando as lentes atuais, porque apesar de o romance ter sido escrito nos anos de 1800, faz parte da realidade de milhões de alunos espalhados pelo mundo lusófono em 2021", referiu.

De origem cabo-verdiana, Vanusa Vera-Cruz Lima é licenciada em Relações Internacionais (Universidade Cândido Mendes - Rio de Janeiro) e mestre em linguística aplicada. Leu "Os Maias" pela primeira vez durante o ensino secundário, em Cabo Verde, quando Eça de Queirós lhe foi apresentado como "um dos mais importantes escritores da literatura portuguesa". Voltou à obra no âmbito do programa do seu doutoramento.

Transmite a mensagem de que "a colonização foi necessária e benéfica"

Segundo Vanusa Vera-Cruz Lima, a mensagem sobre o colonialismo que os alunos recebem quando o leem a obra, publicada em 1888 é que "a colonização foi necessária e benéfica". Além disso "transmite uma imagem de África como sendo uma terra de "selvagens" e "incivilizados", que resulta na justificação da exploração portuguesa neste continente".

Na sua análise racial a "Os Maias", uma das obras mais conhecidas de Eça de Queirós, autor de leitura obrigatória na disciplina de Português no ensino secundário, Vanusa Vera-Cruz Lima apresenta várias citações do romance que "evidenciam o processo de colonização" como tendo sido "necessário para a "salvação" das pessoas que viviam nas terras africanas".

Para Ega, uma personagem com relevância neste romance, que relata a história de uma família ao longo de três gerações, em finais do século XIX, "a colonização tinha um outro "sabor", porque transformaria os negros em pessoas "civilizadas" e, com isso, não haveria nada de pitoresco que chamasse a atenção aos turistas", refere a autora da tese de doutoramento, citando uma passagem da obra. É também desta personagem a passagem: "Porque não se deixaria o preto sossegado, na calma posse dos seus manipansos? Que mal fazia à ordem das coisas que houvesse selvagens? Pelo contrário, davam ao Universo uma deliciosa quantidade de pitoresco".

Vanusa Vera-Cruz Lima afirma que o propósito da sua análise é contribuir para "se repensar a forma como a obra é ensinada nas escolas, contribuindo para uma reflexão e expansão racial" e que não pretende o fim da sua leitura no ensino português. "Pelo contrário, este romance é uma ferramenta ideal para criar oportunidades de ensino e instrução culturalmente responsáveis, para que possamos atender às necessidades de todos os alunos", disse.

Leitura da obra implica análise dos preconceitos raciais

A Associação de Professores de Português (APF) considera que uma leitura de "Os Maias", de Eça de Queirós, implica a análise dos preconceitos raciais do discurso narrativo e das personagens, assim como inserir esse discurso no contexto histórico. O vice-presidente da AFP, Luís Filipe Redes, disse que não é precisa "uma análise muito profunda para compreender os preconceitos raciais presentes em "Os Maias" e em outros textos de Eça".

"Apesar do seu realismo, o autor tem as limitações de um homem do século XIX. Para não termos visões preconcebidas relativamente aos outros, temos de interagir com eles, coisa que o Eça não terá tido oportunidade de fazer, não obstante a sua passagem por Cuba", adiantou o professor de Português.

O docente sublinhou que "a perspetiva racista era dominante nos estudos antropológicos desse tempo". "Eça era contra o tráfico de escravos e isso também se lê em "Os Maias". A alternativa ao tráfico de escravos era o desenvolvimento de África que passava pela ocupação efetiva num movimento que se chamava "colonialismo". É o que vemos no trajeto da personagem Gonçalo, da "Ilustre Casa de Ramires"", comentou.

Por isso, Luís Filipe Redes considera que a leitura desta obra "implica a análise dos preconceitos raciais do discurso narrativo e das personagens e inserir esse discurso no contexto histórico". "O que não podemos fazer é projetar juízos de valor formados nas vivências do nosso tempo sobre as ações dos homens do passado", sublinhou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG