Investigador diz que terceira dose generalizada só faz sentido com vacina atualizada

Miguel Castanho diz que persistir nas mesmas vacinas "é chover no molhado". A terceira dose "só faz sentido" com "uma vacina atualizada", assume.

A administração generalizada de uma terceira dose só faz sentido com uma vacina contra a covid-19 atualizada às novas variantes do vírus SARS-CoV-2, defendeu esta quinta-feira o investigador Miguel Castanho, para quem persistir nas mesmas vacinas "é chover no molhado".

"Não creio que seja necessário, a breve trecho, uma terceira dose de forma generalizada - eventualmente para doentes do sistema imunitário, sim - e, em minha opinião, só faz sentido considerar essa hipótese para uma vacina atualizada", adiantou à Lusa o investigador do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

Segundo disse, a administração generalizada na população de uma dose de reforço com as vacinas que já estão a ser utilizadas é "chover no molhado", face às novas variantes do coronavírus que provoca a covid-19, caso da Delta, predominante em Portugal e considerada mais transmissível.

"A imunidade conferida pelas vacinas em uso neste momento durará tempo suficiente para se atualizar, produzir e distribuir as vacinas atualizadas", defendeu Miguel Castanho.

Já para José Aranda da Silva, especialista em indústria farmacêutica e antigo bastonário da Ordem dos Farmacêuticos, a evolução da pandemia "será favorável" nos próximos meses, uma vez que os "dados referentes à vacinação são muito positivos", mas admitiu a possibilidade de um reforço da imunização.

"A evolução será favorável, mas possivelmente teremos de ter um reforço da vacinação. Até ao momento, as notícias sobre medicamentos que possam erradicar a doença, como acontece com outros vírus, não são animadoras", disse à Lusa o primeiro presidente do Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed).

Segundo Aranda da Silva, como acontece em todos os medicamentos, a eficácia das vacinas contra a covid-19 não é de 100%, "pelo que haverá sempre uma parte da população que não fica imunizada".

"Esta é uma realidade com todas as vacinas e a verdade é que, mesmo assim, com as vacinas conseguimos erradicar do planeta doenças infecciosas que foram devastadoras para a população de diversos continentes durante séculos", salientou o especialista.

O virologista José Miguel Pereira reitera também que a vacina contra a covid-19 não confere 100% de imunidade, uma vez que "há sempre um grupo de indivíduos que não adquirem a capacidade de criarem uma resposta imunologicamente competente para este agente viral".

Segundo o especialista, as vacinas atualmente em uso, sendo eficazes a prevenir a covid-19, "não permitem aparentemente evitar que o vírus SARS-CoV-2 infete e colonize as células das vias respiratórias dos vacinados", apesar de se tratar, na maioria dos casos, de infeções assintomáticas ou benignas.

No entanto, diversos estudos revelam que as pessoas vacinadas e que ficam infetadas possuem menores cargas virais e de menor duração nas vias respiratórias, adianta o investigador.

"Ou seja, a probabilidade de haver transmissão a partir de um hospedeiro vacinado que tenha sido infetado é muito menor do que a que se verifica quando essa infeção ocorre num hospedeiro não vacinado", assegura José Miguel Pereira.

A administração de uma terceira dose de vacina contra a covid-19 pode vir a ser administrada a dois grupos distintos da população, admitiu quarta-feira a diretora-geral da Saúde (DGS), Graça Freitas.

"A questão da terceira dose tem duas componentes: para os imunosuprimidos é uma outra oportunidade de ficarem imunizados; para as pessoas que tiveram a sua vacinação, mas porque são velhos, doentes ou terem outra condição que não os deixou duradouramente protegidos, está a ser equacionado um reforço. São estes estudos que estão a ser feitos e que têm muito a ver com a duração da imunidade", afirmou a responsável da DGS.

A covid-19 provocou pelo menos 4.461.431 mortes em todo o mundo, entre mais de 213,79 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.689 pessoas e foram contabilizados 1.028.421 casos de infeção confirmados, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG