Feridos quatro bombeiros no combate ao fogo no Fundão

Veículo dos bombeiros resvalou por uma ravina na aldeia de Alcongosta

Quatro bombeiros ficaram feridos, sem gravidade, num acidente em Alcongosta, no concelho do Fundão, esta noite, durante as operações de combate ao incêndio florestal que lavra na Serra da Gardunha, desde domingo, disse fonte da Proteção Civil.

O acidente ocorreu pela 01:02 de hoje, na povoação de Alcongosta, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco, adiantando que os feridos foram transportados para o Hospital da Covilhã.

Os bombeiros feridos eram ocupantes de um veículo de combate a incêndios da corporação de Voluntários do Fundão, no distrito de Castelo Branco, que resvalou por uma ravina, na aldeia de Alcongosta, constatou a agência Lusa no local.

O veículo procedia, então, a uma manobra de reposicionamento, no âmbito do reforço de meios de combate às chamas, que continuam a lavrar com intensidade na Serra da Gardunha, desde as 01:27 de domingo.

O presidente da Câmara do Fundão, Paulo Fernandes, disse que o acidente ocorreu durante a "circunstância complexa de posicionamento do carro numa zona difícil, acabando por deslizar numa ravina com cinco a seis metros".

Dos quatros feridos, que são todos homens e da corporação do Fundão, "dois tiveram de ser desencarcerados", acrescentou o autarca.

O fogo começou perto da localidade de Louriçal do Campo, no concelho de Castelo Branco, e alastrou, ao meio da tarde desse dia, a território do concelho do Fundão.

Na segunda-feira, dois civis sofreram queimaduras e uma bombeira ferimentos ligeiros, igualmente durante o combate a este fogo.

A Câmara Municipal do Fundão, ao princípio da noite de segunda-feira, acionou o Plano de Emergência Municipal.

A situação mantém-se "muitíssimo complicada", sublinhou o presidente da Câmara do Fundão, insistindo na necessidade de reforçar os meios mobilizados para o combate, que -- salientou -- são "insuficientes para a dimensão do fogo".

"Reitero os apelos que já fiz porque se não houver um reforço mais musculado, continuaremos a ter um dia gravíssimo e com consequências gravíssimas e com mais localidades em perigo", afirmou, Paulo Fernandes, que falava aos jornalistas, esta madrugada, junto ao local do acidente, em Alcongosta.

De acordo com a página da Autoridade Nacional de Proteção Civil ((ANPC) na internet, este fogo na Serra da Gardunha estava, pelas 03:20, a ser combatido por mais de três centenas de operacionais, apoiados por cerca de uma centena de viaturas.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG