Greve do SEF leva ao encerramento da maioria dos departamentos nacionais

A ação é motivada pela formalização "da intenção do Governo extinguir o SEF" em Conselho de Ministros e tornada pública em Diário da República no dia 14 de abril.

A greve de inspetores e funcionários do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), contra a reestruturação do serviço, levou ao "encerramento a 100%" da "grande maioria dos departamentos" nacionais do serviço, disse à Lusa fonte sindical.

O presidente do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SCIF/SEF), Acácio Pereira, esclareceu, esta sexta-feira de manhã, junto ao aeroporto de Lisboa, que os departamentos fechados são os da Madeira, Açores, Algarve, Lisboa, Viseu, Coimbra, Aveiro, Castelo Branco, Guarda e Porto.

"O cenário é caótico, estamos a cumprir apenas os serviços mínimos" nos aeroportos e portos, acrescentou, sublinhando que a adesão "ultrapassa as melhores expetativas, o que é demonstrativo do estado de espírito e anímico dos funcionários".

A greve de inspetores e funcionários, que começou às 00:00 e termina às 24:00 desta sexta-feira, foi anunciada pelo SCIF/SEF e conta com a adesão do Sindicato dos Funcionários do SEF (SINSEF) e o Sindicato dos Inspetores de Investigação, Fiscalização e Fronteiras (SIIFF).

A ação é motivada pela formalização "da intenção do Governo extinguir o SEF" em Conselho de Ministros e tornada pública em Diário da República no dia 14 de abril.

Esta manhã, em declarações aos jornalistas no aeroporto Francisco Sá Carneiro, Acácio Pereira informou que no local estão hoje apenas seis funcionários de serviço comparados com os cerca de 30 em condições normais.

"Já tivemos algumas situações de passageiros que se sentiram mal e lamentamos qualquer transtorno causado aos cidadãos, mas a responsabilidade é apenas de Eduardo Cabrita [ministro da Administração Interna] e do primeiro-ministro que o mantém em funções", disse, aludindo às horas de espera.

Sobre as razões que conduziram à greve, o presidente do SCIF/SEF, argumentou que a reestruturação em causa é "uma tentativa do Governo de fazer um golpe de estado a partir dos seus gabinetes, evitando levar [o assunto] à AR, que é o lugar próprio para decidir estas matérias".

Por isso, Acácio Pereira recomendou que se conduza "um amplo debate" porque: "este é um tema importantíssimo que tem a ver com direitos humanos e a questão humanista do Estado português, pelo que tem de ser bem pensado e ponderado".

"A reestruturação que defendemos há muito tem de ser feita por dentro", frisou.

A resolução do Conselho de Ministros, que define as orientações políticas para a criação do Serviço de Estrangeiros e Asilo, que vai suceder ao SEF, estabelece "as traves mestras de uma separação orgânica muito clara entre as funções policiais e as funções administrativas de autorização e documentação de imigrantes".

A resolução determina quais as atribuições de natureza policial do SEF que vão transitar para a Guarda Nacional Republicana, Polícia de Segurança Pública e Polícia Judiciária, bem como as competências que vão passar para o Instituto dos Registos e Notariado, ficando o Serviço de Estrangeiros e Asilo com "atribuições de natureza técnico-administrativa".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG