Expetativa: sonda Juno está a chegar a Júpiter

A arriscada manobra para entrar na órbita do planeta está prevista para as três da manhã, hora de Lisboa

Tudo vai depender da precisão da travagem e da manobra de inserção há muito programadas no computador central da Juno, a sonda da NASA que está agora prestes a chegar a Júpiter. Se tudo correr como se espera, a Juno entra na órbita do gigante gasoso do sistema solar no início da próxima madrugada, quando forem 03.18 em Lisboa - a transmissão direta pode ser seguida aqui -, abrindo uma nova janela para o estudo do ainda muito enigmático Júpiter.

Nestas horas derradeiras, antes da chegada, o entusiasmo é muito... e os nervos também.

Júpiter é uma espécie de estrela falhada. Feito essencialmente de hélio e de hidrogénio, tal como as estrelas, o gigante gasoso do sistema solar é um planeta de extremos: tem níveis de radiação extrema, tempestades extremas e campo magnético extremo.

Tudo isto já se sabe, de estudos feitos com telescópios e graças às observações da sonda Galileo, a primeira enviada àquele planeta, no início dos anos 90 do século passado. Missão conjunta da NASA e da ESA, a Galileo revelou ali, há mais de 20 anos, um mundo muito complexo e com uma atmosfera revolta, na qual encontrou concentrações inesperadamente altas de alguns gases nobres, como o árgon, mostrando que Júpiter é mais antigo do que se pensava.

O conhecimento desse passado é precioso para os cientistas. "Se queremos recuar no tempo e compreender donde viemos e como os planetas se formaram, Júpiter é o alvo certo", diz Scott Bolton, o cientista principal da missão Juno.

Se tudo correr bem na próxima madrugada e a Juno chegar a Júpiter sem percalços, durante o próximo ano e meio vai ficar numa órbita polar e fazer um estudo detalhado sobre o planeta. Conta para isso com nove instrumentos, cujas medições vão permitir caracterizar o campo magnético de Júpiter, as suas diferentes camadas atmosféricas e respetivas composições químicas e de partículas.

Um dos mistérios para o qual se espera que a Juno possa dar uma resposta é o do que existe no seu interior: até hoje não se sabe se ele tem, ou não, um núcleo sólido, como acontece com os planetas rochosos do sistema solar. Na sua órbita polar, a sonda terá igualmente uma soberba vista para as espetaculares auroras boreais que são uma das atrações científicas do planeta.

A missão termina em fevereiro de 2018 e para essa altura a NASA tem um programa um final apoteótico: um mergulho da sonda no turbilhão da atmosfera jupiteriana. Isso permitirá a recolha de dados até ao derradeiro minuto, mas, sobretudo, evita-se que a sonda possa cair acidentalmente em alguma das luas de Júpiter, como Io, ou Europa, onde os cientistas pensam que há grandes probabilidades de existir vida microbiana.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG