Eventos de natureza corporativa também alvo de testagem, diz DGS

Para os eventos corporativos, "devem realizar-se rastreios laboratoriais" para a SARS-CoV-2 "sempre que o número de participantes/espectadores seja superior a mil, em ambiente aberto, ou superior a 500, em ambiente fechado", indica a DGS.

Os testes à covid-19 devem realizar-se também em eventos de natureza corporativa, nos mesmos moldes dos eventos culturais e desportivos, com mais de mil participantes ao ar livre, ou mais de 500 em espaços fechados, foi hoje anunciado.

Segundo a mais recente atualização da Estratégia Nacional de Testes para a SARS-CoV-2 da Direção Geral da Saúde (DGS), divulgada na quinta-feira, os eventos de natureza corporativa passam também a integrar a testagem aos profissionais e participantes/espetadores, tal como já tinha sido definido nos eventos desportivos e culturais.

Para estes eventos, "devem realizar-se rastreios laboratoriais" para a SARS-CoV-2 "sempre que o número de participantes/espectadores seja superior a mil, em ambiente aberto, ou superior a 500, em ambiente fechado".

A DGS explica ainda que nos eventos de natureza cultural "cuja venda de bilhetes já se encontre iniciada à data da atualização" desta norma, sempre que o número de espetadores corresponda ao indicado "é recomendado que o promotor avalie a possibilidade da realização de rastreios laboratoriais".

Na terça-feira, a DGS tinha divulgado ainda a recomendação de testagem regular em contexto laboral, nos locais de maior risco de transmissão, como as explorações agrícolas e o setor da construção, aconselhando a testagem com uma periodicidade de 14/14 dias, conforme pode ler-se na norma da DGS.

Esta recomendação é igualmente aplicada em serviços públicos e locais de trabalho com 150 ou mais trabalhadores, independentemente do seu vínculo laboral, da modalidade ou da natureza da relação jurídica, adianta ainda.

A norma refere também que se devem realizar testes "em eventos familiares, designadamente casamentos e batizados, bem como quaisquer outras celebrações similares, com reunião de pessoas fora do agregado familiar, aos profissionais e participantes sempre que o número de participantes seja superior a dez".

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3 835 238 mortos no mundo, resultantes de mais de 176,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.057 pessoas dos 861 628 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG