Este padre é o 112 dos refugiados do Mediterrâneo

O padre Mussie Zerai, 41 anos, é natural da Eritreia e tem sido um apoio importante para migrantes que chegam aos países europeus

Mussie Zerai, 41 anos, é padre e natural da Eritreia. Vive desde 1989 na Europa, mas foi na Líbia que descobriu uma nova missão: ao fazer de intérprete para um jornalista numa reportagem sobre refugiados, deu--se conta das tragédias vividas por muitos deles. Numa prisão da Líbia, escreveu então o seu contacto numa parede: "Para qualquer emergência, ligue para este número."

A prisão albergava muitos refugiados em busca de melhor sorte do que serem vendidos por traficantes a 50 dólares (cerca de 44 euros). A partir desse momento, o telefone do padre Zerai passou a ser número de emergência para milhares de vidas. Do meio do mar, da costa africana ou já em terras italianas ou europeias, chegam-lhe pedidos de socorro de pessoas em risco de naufragar, a precisar de documentos, a pedir água ou comida... A sua ação valeu-lhe a indicação como candidato ao Nobel, no ano passado.

Nascido em 1975, Mussie Zerai saiu da Eritreia com 14 anos. Tal como o pai, que, depois de ter sido preso pela polícia política eritreia, pedira asilo em Itália, Mussie também pediu asilo. Foi ordenado padre em Itália, em 2010.

Quatro anos antes, fundara a agência Habeshia (que significa mistura), organização de apoio a refugiados. Em 2012, o padre Mussie radicou-se na Suíça, onde trabalha com emigrantes e refugiados eritreus e etíopes. Começara em 1995 a apoiar refugiados, sobretudo eritreus, o terceiro maior grupo entre os que chegam à Europa, depois de sírios e iraquianos. Em 2003, o trabalho redobrou: um jornalista pediu-lhe ajuda como intérprete, numa reportagem sobre refugiados em fuga.

Foi quando visitavam uma prisão na Líbia, cheia de vítimas de traficantes e a quererem passar para a Europa, que percebeu: "Eu não podia limitar-me ao papel de tradutor, tinha de fazer alguma coisa." Deixou, então, o seu contacto escrito numa das paredes: "Para qualquer emergência, ligue para este número."

Mussie - ou Moisés, que quer dizer "salvo das águas" - acabou por se tornar salvador de muitas vidas em risco de naufrágio no Mediterrâneo. Ainda há quinze dias, contava ele em Fafe, na semana passada, chegou um pedido de socorro do meio do mar. "Havia um barco com várias pessoas que esteve oito horas para ser socorrido. Se houvesse um dispositivo eficaz, teriam recebido socorro imediato. Com a espera, morreram duas pessoas."

O padre Zerai participou em Fafe no Terra Justa - Encontro Internacional de Causas e Valores da Humanidade. Ali recordava que a União Europeia vendeu 15 mil milhões em armas aos países do Médio Oriente. Sobre a visita do Papa a Lesbos, amanhã, diz que ela deveria provocar "uma abertura na mente e no coração" dos governantes europeus. "Hoje, para eles, são muito importantes as fronteiras, o Papa vai dizer: não, o mais importante são os seres humanos, os seus direitos, a sua dignidade, as suas necessidades, os seus sonhos. A pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, com a sua dignidade, deve estar no centro - e não a economia, as fronteiras, os lóbis que hoje fazem girar o mundo..."

Jornalista do religionline.blogspot.pt

Mais Notícias

Outras Notícias GMG