Escola reabre dois anos depois de fechar por falta de alunos

A escola básica de Monsanto, no concelho de Idanha-a-Nova, reabre com 19 crianças no 1º ciclo do ensino básico e 12 no pré-escolar

A escola básica de Monsanto reabriu esta quinta-feira depois de ter estado encerrada durante dois anos, por decisão do anterior Governo, um ato que o coordenador-adjunto da Unidade de Missão para o Interior considerou de simbólico para todo o país.

"É para mim um dia muito emocionante, porque acompanhei a luta do vosso presidente da câmara [Idanha-a-Nova] e a escola reabre hoje porque houve um homem que teve um sonho, lutou por ele e realizou-o", afirmou o coordenador-adjunto da Unidade de Missão para a Valorização do Interior (UMVI), João Paulo Catarino.

Este responsável, que se deslocou a Monsanto, no concelho de Idanha-a-Nova, para presidir à cerimónia de reabertura da escola local, classificou este ato como "simbólico para Idanha-a-Nova e para todo o país".

"Dois anos depois, o sonho torna-se realidade para Monsanto, para Idanha-a-Nova e para o [presidente] Armindo Jacinto. É o princípio da esperança. O que queremos é que volte a acontecer isto em muitos concelhos do interior", sublinhou.

Disse ainda que após seis meses de trabalho na UMVI, criada pelo atual Governo, tem uma certeza: "A decisão política quanto mais próxima estiver dos seus destinatários, mais justa é".

João Paulo Catarino adiantou também que tratar o concelho de Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, da mesma forma como se tratam outros concelhos do país, é uma "injustiça" que se faz à região e ao interior do país.

E, indiretamente, criticou a decisão que o anterior Governo tomou em 2014, de encerrar este estabelecimento de ensino: "Não ter sensibilidade para o que representam estas crianças também é uma falta de bom senso muito grande".

O coordenador-adjunto da UMVI reforçou a ideia de que existe uma "assimetria brutal" entre o interior e o litoral do país e adiantou que são precisas medidas concretas para alterar a situação.

"Hoje, somos dois países [interior e litoral] completamente distintos. Temos que trabalhar para corrigir as assimetrias", sustentou.

O complexo escolar de Monsanto, agora designado como escola básica de Monsanto e Idanha-a-Nova, abriu as portas com 19 crianças que vão frequentar o 1º ciclo do ensino básico e 12 no pré-escolar.

Em 2014, quando o Governo decidiu encerrar este estabelecimento de ensino, havia sete crianças a frequentar o 1º ciclo do ensino básico.

Já o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto, classificou a reabertura do estabelecimento de ensino como um ato de "investimento e o acreditar nos territórios de baixa densidade".

"Os pais sempre quiseram que os meninos ficassem na sua terra. A escola reabriu, não porque tenhamos metido uma cunha, foi porque temos um concelho a crescer em termos económicos e é isto que faz com que haja aqui famílias a fixarem-se e só o fazem se tiverem [serviços] de qualidade na educação, saúde e emprego", disse.

O autarca sublinhou também que atualmente o concelho de Idanha-a-Nova tem uma rede de apoio à educação que começa nos berçários e termina no ensino superior.

"A educação, para nós, é prioritária e fundamental. Se queremos inverter o processo de desertificação temos que investir nas pessoas e na educação. É isto que Idanha está a fazer", concluiu.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG