Em 3 milhões só 6 homens tiveram efeitos adversos com vacina da Jansen

EUA revelam novos dados sobre vacina e Portugal vai retirar limite de idade de 50 anos para homens, podendo assim aproveitar 2,7 milhões de vacinas. A Comissão Técnica de Vacinação anunciará decisão em breve.

A 11 de abril, a União Europeia aprovou a vacina da Johnson & Johnson, produzida pela farmacêutica Janssen, contra a covid-19, mas a entrega desta teve de ser atrasada depois de as autoridades de saúde dos Estados Unidos da América (EUA), entre elas o Centro de Prevenção e Controlo de Doenças, terem optado por suspender a sua aplicação devido ao registo de efeitos adversos graves em mulheres (fenómenos tromboembólicos).

Na altura, a Agência Europeia do Medicamento decidiu fazer o mesmo e investigar o que se estava a passar, mas dias mais tarde veio confirmar que a vacina era segura, pedindo aos países que fizessem recomendações na sua administração.

Portugal foi dos países que decidiu aplicar a vacina só a maiores de 50 anos, mas, assim, haveria 2,7 milhões de vacinas deste laboratório, já encomendadas, que teriam de sair do plano de vacinação por não haver maiores de 50 no país para a receberem. Agora, e depois de mais dados apresentados pelo CDC americano, a Comissão Técnica de Vacinação contra a Covid-19 prepara-se para retirar o limite de idade ao sexo masculino por "o risco de efeitos adversos ser muito reduzido", explicaram ao DN.

A decisão tem por base os dados apresentados recentemente pelo diretor do Departamento de Imunologia do CDC americano, Tom Shimabukuro, que revelam que em três milhões de vacinados com J&J, mais precisamente 2 917 997, apenas seis registaram efeitos secundários. As doses foram administradas a maiores de 18 anos, sendo que a faixa etária com mais de 65 anos, onde foram vacinados 697 925 homens, não registou qualquer fenómeno adverso. As situações foram registadas em indivíduos entre os 18 e os 64 anos e nenhuma foi fatal.

Segundo Tom Shimabukuro, a faixa etária entre os 18 e os 29 anos, onde foram vacinados 714 458 homens, registou duas situações de efeitos adversos; a dos 30 aos 39 anos, na qual se vacinaram 728 699 indivíduos, registou uma situação adversa; na dos 40 aos 49 anos, em 775 390 vacinas, houve um caso; e na faixa dos 50 aos 64 anos, onde foram dadas 1 505 505 vacinas, dois casos. Na apresentação destes dados o cientista confirmou haver um risco muito reduzido - entre 1,3% a 2,8% por milhão de habitantes.

Números baixos entre as mulheres, mas com efeitos mais graves

Em relação ao sexo feminino, foram administradas 2 843 912 vacinas, tendo sido registados 22 casos, a maioria entre os 30 e os 49 anos. Os dados do diretor do Departamento de Imunologia do CDC americano demonstram que na faixa etária maior de 65 anos, onde foram administradas 814 947 vacinas, não se registaram reações adversas e que as faixas mais afetadas foram as dos 30 aos 39 anos, onde houve oito casos em 642 745 vacinas administradas, e na dos 40 aos 49, na qual houve sete casos em 743 256 vacinas. Na faixa mais jovem, registaram-se três casos em 641 510 mulheres vacinadas, e na dos 50 aos 64, quatro casos em 1 463 416 mulheres inoculadas.

Em relação ao sexo feminino, embora a percentagem também seja reduzida comparativamente por milhão de habitantes, os eventos registados foram mais graves, tendo sido percecionado que tais mulheres tomariam anticoncecionais. A situação levou então alguns países a definir um limite de idade, que, no caso do sexo masculino, Portugal deverá retirar.

Aliás, nesta semana, o coordenador da task force para o Plano de Vacinação contra a Covid-19 deu conta disto mesmo. "Se tudo correr bem, se as vacinas que estão previstas no plano chegarem a território nacional, isso vai fazer com que o ritmo de vacinação não só se mantenha como possa ser acelerado", anunciou durante a sua intervenção no Congresso da Ordem dos Médicos, em Coimbra, na quarta-feira. O vice-almirante Gouveia e Melo referiu ainda que desta forma o país conseguiria "atingir 70% da população vacinada, pelo menos, com uma dose até agosto".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG