Egas Moniz. PS quer ver o primeiro Nobel português honrado no Panteão Nacional

Grupo Parlamentar do PS vai apresentar um projeto de resolução para conceder honras de Panteão Nacional a Egas Moniz, revelou a federação de Aveiro do partido.

Trata-se de "homenagear o médico, cientista, político e escritor, evocando assim "o seu papel no desenvolvimento da ciência em Portugal, na sua projeção internacional, sempre com um forte sentido de dever e de comunidade",justifica em comunicado a Federação Distrital de Aveiro do PS.

A iniciativa, promovida pelo deputado Hugo Oliveira, natural de Avanca, localidade onde nasceu Egas Moniz, e elaborada pelos deputados socialistas de Aveiro, será entregue na Assembleia da República no primeiro trimestre de 2021, de acordo com o PS.

"O projeto de resolução será formalmente apresentado após um conjunto alargado de audições num grupo de trabalho que o PS recomenda que seja criado para o efeito, sob a coordenação do deputado Hugo Oliveira", esclarece o Partido Socialista.

Além de todos os partidos políticos, o PS pretende que sejam também ouvidas a Câmara Municipal de Estarreja, a Junta de Freguesia de Avanca, a comunidade científica e civil, assim como a família de Egas Moniz, com vista a gerar "um entendimento alargado sobre a grandiosidade da obra e vida de Egas Moniz".

"Este projeto de resolução pretende inscrever Egas Moniz na legião dos sábios, dos pioneiros, daqueles que passo a passo, conseguiram de alguma forma modificar o rumo da História", como é sugerido no sítio oficial da Casa-Museu Egas Moniz, em Avança", explica a nota socialista.

O projeto base proposto pelo PS, que prevê a atribuição de Honras de Panteão, não pressupõe a transladação do corpo, que se encontra sepultado no cemitério de Avanca, ao lado da esposa, "respeitando a vontade de ficar sepultado na sua terra natal, à qual doou grande parte do seu legado".

No projeto do PS recorda-se que o "professor, médico, cientista, político e escritor, Egas Moniz nasceu António Caetano de Abreu Freire, a 29 de novembro de 1874, em Avanca, concelho de Estarreja", tendo frequentado, depois dos estudos iniciais, o curso de medicina na Universidade de Coimbra, "que termina com distinção em 1899".

"O seu brilhantismo dá-lhe acesso ao professorado pouco depois, em 1902, iniciando na mesma Universidade, como lente substituto, a sua carreira académica", salienta-se na proposta do PS, em que também é lembrado o seu legado como ensaísta, cuja notoriedade pública foi alcançada com o livro "A Vida Sexual", publicado em 1901, tornando-se, entre a 1ª e a 19ª edição, "uma das obras de divulgação científica de maior êxito, ao que hoje chamaríamos de "best-seller"".

Egas Moniz fez toda a sua carreira académica na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, onde ocupou a cátedra de Neurologia e exerceu como Professor Catedrático até à sua reforma, em 1944.

Foi na área da Neurologia que Egas Moniz ganhou maior notoriedade, vindo a ser "galardoado com o Prémio Nobel da Fisiologia ou Medicina em 1949, não pelos trabalhos de angiografia cerebral, mas antes pelos seus trabalhos pela "descoberta do valor terapêutico da leucotomia".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG