Dois terços concordam com vacinação urgente das crianças

Também há uma maioria de portugueses que defende vacina obrigatória (53%). E quase todos estão disponíveis para receber a terceira dose (86%).

Uma grande maioria dos portugueses concorda que a vacinação das crianças entre os 5 e os 11 anos se faça o mais rapidamente possível (61%), segundo uma sondagem da Aximage para o DN, JN e TSF. Mas são ainda mais os que anunciam que tomarão a terceira dose assim que esteja disponível (86%). Apesar da adesão massiva à vacina contra a covid-19, há também uma maioria de inquiridos que defende que esta deveria ser obrigatória (53%).

De acordo com as estatísticas mais recentes, 89% da população residente em Portugal está totalmente vacinada (duas doses). Melhor cobertura, a nível mundial, só nos Emirados Árabes Unidos (90%). Mas isso não parece ser suficiente para convencer os portugueses de que não é necessário avançar para a vacina obrigatória: são bastantes mais os que defendem essa imposição legal (53%) do que os que a recusam (40%).

Quando se analisam as respostas tendo em conta o género, a faixa etária, a classe social ou a geografia, há um único segmento da população em que há uma maioria que diz "não" à obrigação de vacinar: os que têm 65 anos ou mais (49%). Curiosamente, é a faixa etária que se mostra mais disponível para a terceira dose; a que mais defende a vacinação das crianças; e a que mais confia na eficácia das vacinas. Se a análise incidir na intenção de voto, só os liberais, comunistas e eleitores do PAN rejeitam a obrigatoriedade da vacina contra a covid-19. Os restantes, incluindo os que votam PS (58%) e PSD (56%), estão de acordo.

Pais sintonizados

Também no que diz respeito à vacinação das crianças entre os 5 e 11 anos são minoritários os que discordam: apenas um em cada cinco portugueses resiste à ideia de que é preciso vacinar rapidamente os mais pequenos (22%). Seis em cada dez estão de acordo com a vacina e com a urgência de a aplicar (61%).

Note-se que o trabalho de campo da sondagem decorreu entre 9 e 13 de dezembro, quando já era conhecida a decisão da DGS (o anúncio foi a 8 de dezembro) e, para uma parte dos inquiridos, depois de serem conhecidos o calendário e os pareceres, quer o dos peritos da Comissão Técnica de Vacinação (manifestaram-se a favor da vacinação imediata), quer o do grupo de especialistas pediátricos (que recomendaram que se esperasse por mais dados científicos antes de dar início à vacinação em massa das crianças).

Antevê-se, portanto, uma corrida aos centros de vacinação já a partir deste fim de semana. Até porque o segmento da amostra que se revela mais convencido da urgência de vacinar é precisamente o que inclui os pais de crianças dos 5 aos 11 anos - 67% responderam que lhes darão a vacina o mais rapidamente possível e apenas 20% manifestaram algum grau de discordância.

Plano corre bem

O comportamento e as opiniões sobre a importância da vacinação estão em linha com a confiança na sua eficácia - 61% respondem que é grande (40%) ou muito grande (21%), com destaque para os mais velhos (77%). Se somarmos os portugueses que se refugiam numa resposta intermédia (a confiança não é grande, nem pequena), chegamos aos 86% (a mesma percentagem que está disponível para tomar a terceira dose assim que seja possível). Sobram apenas 15% de inquiridos que desconfiam.

O plano de vacinação merece, igualmente, uma avaliação positiva dos portugueses. Mesmo sem Gouveia de Melo na liderança da task force, 80% dão nota positiva (bem mais do que os 52% de abril, quando as certezas sobre a disponibilidade de vacinas eram menores). Apenas uns escassos 7% dos inquiridos revelam algum grau de insatisfação.

rafael@jn.pt

FICHA TÉCNICA DA SONDAGEM

A sondagem foi realizada pela Aximage para o DN, TSF e JN, com o objetivo de avaliar a opinião dos portugueses sobre temas relacionados com a gestão da pandemia. O trabalho de campo decorreu entre os dias 9 e 13 de dezembro de 2021 e foram recolhidas 810 entrevistas entre maiores de 18 anos residentes em Portugal.

Foi feita uma amostragem por quotas, obtida através de uma matriz cruzando sexo, idade e região (NUTSII), a partir do universo conhecido, reequilibrada por género, grupo etário e escolaridade. Para uma amostra probabilística com 810 entrevistas, o desvio padrão máximo de umaproporção é 0,017 (ou seja, uma "margem de erro" - a 95% - de 3,44%).

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem, Lda., sob a direção técnica de Ana Carla Basílio.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG